Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

2 das 4 federais do Rio ficam de fora de greve nacional de professores

Apenas docentes da UFF aderiram ao movimento; profissionais da UFRRJ fazem assembleia na tarde desta quinta-feira para decidir

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

28 Maio 2015 | 10h28

RIO - Duas das quatro universidades federais do Rio de Janeiro ficaram de fora da greve deflagrada nesta quinta-feira, 28, pelo Sindicato Nacional de Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN) em instituições federais de todo o País. Professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) decidiram não paralisar suas atividades.

Já na Universidade Federal Fluminense (UFF), docentes, estudantes e técnico-administrativos aderiram ao movimento por tempo indeterminado e fazem um ato público na manhã desta quinta-feira na entrada do câmpus Gragoatá, em Niterói, município vizinho ao Rio.

Os professores da UFF pedem reajuste de 27,3% e a defesa da fixação da data-base em maio. O movimento grevista também protesta contra os cortes orçamentários na educação e por melhores condições de trabalho. 

Desde o meio-dia de quarta-feira, 27, estudantes da UFF ocupam a reitoria da instituição, em Icaraí, também em Niterói. Os alunos pedem a suspensão do calendário acadêmico, reabertura do bandejão do câmpus da Praia Vermelha, pagamento imediato das bolsas de monitoria em greve e regularização dos pagamentos aos terceirizados, além de uma reunião de negociação da reitoria com os três setores em greve.

Na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), em Seropédica, na Baixada Fluminense, uma assembleia geral está marcada para as 13h desta quinta-feira para decidir sobre a adesão dos professores à greve nacional. 

Embora não tenham aderido ao movimento grevista nacional, os professores da Unirio farão uma paralisação conjunta com estudantes e técnico-administrativos na sexta-feira, 29, e se mantêm em estado de greve, com possibilidade de convocação de assembleias com até 24 horas de antecedência. A Associação dos Docentes da Unirio (Adunirio) pretende convocar uma nova reunião na semana que vem para deliberar novamente sobre o movimento grevista.

Os estudantes da Unirio, por sua vez, decidiram entrar em greve por tempo indeterminado em assembleia realizada na noite desta quarta-feira. Uma nota divulgada pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) pelo Facebook contém 12 pontos de reivindicação, entre os quais, fim do atraso das bolsas e dos salários dos terceirizados, garantia de transporte intercâmpus e passe livre estudantil irrestrito, reforma e ampliação dos prédios da Unirio. 

Nesta sexta-feira, 29, o Dia Nacional da Paralisação prevê a realização de um ato público a partir das 16h na Candelária, na região central do Rio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.