1 Colégio Eng. Juarez Wanderley

São José dos Campos

Simone Menocchi,

29 de abril de 2009 | 00h20

Fundado em fevereiro de 2002, o Colégio Engenheiro Juarez Wanderley, de São José dos Campos, já formou 1.100 alunos e se tornou referência no ensino gratuito de qualidade. A escola só aceita estudantes que cursaram os últimos quatro anos do nível fundamental na rede pública. Quem vem da rede particular não entra. É hoje a melhor escola do interior paulista, mantida pelo Instituto Embraer, que atua nas comunidades onde a fabricante brasileira de aviões mantém suas unidades: São José dos Campos, Gavião Peixoto e Botucatu. "É uma forma de retribuir tudo o que São José dos Campos e a região nos dá", diz o diretor do instituto, Pedro Ferraz. A empresa tem planos de fazer uma nova escola em outra cidade.

 

Veja também

linkEspecial: tudo sobre o Enem

linkRanking: as 1000 escolas mais bem colocadas

 

A cada ano, aumenta mais a procura para o "colégio da Embraer", como é chamado. Os estudantes são selecionados por meio de concurso administrado pela Vunesp (Vestibular da Universidade Estadual Paulista). A procura é grande. No ano passado foram 25 alunos por vaga.

 

"Quando chegamos aqui, o choque é grande, não só pela carga horária, mas pela forma como são colocadas as disciplinas", afirma Jade Antunes Simões, de 17 anos. Já determinada em seguir carreira para administração de empresas e economia, a aluna do 3º ano aprendeu na escola a importância de se esforçar para conquistar a tão sonhada vaga no ensino superior. "Além das dez horas aula, chego em casa e estudo mais três horas. A responsabilidade é minha de passar no vestibular, de construir meu futuro." O pensamento dela é o da maioria dos 600 alunos, que estudam dez horas por dia.

 

A média de ex-alunos que ingressaram numa universidade pública é de 80%. E todos passaram em pelo menos um vestibular. Os alunos ganham desde o transporte até o material didático, que se baseia no Sistema Pitágoras. Tudo é cedido pelo Instituto Embraer, que investe cerca de R$ 14 mil por ano por aluno. Depois que o estudante se forma, ele tem direito a receber uma bolsa de R$ 490 para se manter durante a faculdade. Há ainda parcerias feitas com empresas externas.

 

Para o diretor da escola, Jamerson Mansur Peixoto, os índices que os alunos do colégio da Embraer alcançam mostram que é possível resgatar o déficit de aprendizagem constatado hoje no País. "Há recursos para isso, mas é preciso que sejam bem geridos. O foco de toda população tem que estar na educação, é prioridade", afirma.

Mais conteúdo sobre:
Enemeducação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.