Tiro com arco

Tiro com arco

Colégio Vital Brazil

20 Julho 2018 | 16h37

As descobertas mais importantes do homem foram o fogo, a roda e a escrita. No entanto, muitos historiadores dão a mesma importância à atividade de arco e flecha, ferramenta de caça já praticada na pré-história – na Idade da Pedra Lascada – pelo homem paleolítico, em busca de alimentos e também pela sua proteção contra o ataque de animais, uma vez que essa arma é capaz de abater até mesmo um elefante africano. Como arma de guerra, o arco e a flecha contribuíram para diversas culturas, como os núbios – uma das primeiras civilizações africanas que se desenvolveu no que hoje é o atual Sudão –, os povos do Japão Antigo, nas guerras a cavalo entre os samurais, e na Idade Média Europeia, momento em que os arqueiros ingleses atiravam com seus arcos flechadas certeiras na Guerra dos Cem Anos. Em muitas tribos indígenas da América, a prática do arco e flecha, feitos de diferentes caules e bambus, ainda é a ferramenta mais sólida para a caça e defesa.

Com a descoberta e o desenvolvimento da pólvora, das armas de fogo e das munições, o arqueirismo foi se transformando em esporte e se formalizou nesta condição em 1828, nos EUA, por meio da criação da Associação Nacional de Arqueirismo. Como modalidade olímpica, o arqueirismo fica conhecido como tiro com arco.

Diferentemente das maiorias das modalidades olímpicas, que requerem capacidades físicas tais como força, velocidade e potência, o tiro com arco exige do praticante três condições fundamentais: precisão, concentração e técnica, na intenção de acertar o alvo que pode ficar de 30 a 90 metros de distância do competidor e cujas pontuações variam de 1 a 10 pontos por tiro.

Como componente curricular da Educação Física, de acordo com o documento  da Base Nacional Comum Curricular, BNCC, o tiro com arco encontra-se na classe dos esportes de precisão e pode contribuir na tematização das práticas corporais em suas diversas formas de codificação e significação histórica e social. Nas aulas, essa prática pode ser abordada como fenômeno cultural dinâmico, diversificado, pluridimensional e singular que oferece a possibilidade de enriquecer as experiências dos alunos, através do acesso a um vasto acervo do universo da cultura do movimento. Para além da vivência, a experiência efetiva dessa prática oportuniza aos alunos participar, de forma autônoma, em contextos lúdicos de lazer e saúde.

Larissa Wosniak
Professora de Educação Física do Colégio Vital Brazil

Referências Bibliográficas:
Site do Cômite Olímpico Brasileiro (COB)
https://www.cob.org.br/

Documento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC)
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Rede Nacional do Esporte
http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/megaeventos/olimpiadas/modalidades/tiro-com-arc