A importância de aprender Inglês desde cedo

A importância de aprender Inglês desde cedo

Colégio Albert Sabin

07 Março 2016 | 10h30

Em março de 2015, uma pesquisa conduzida pelo Departamento de Inglês do Colégio Vital Brazil verificou que, dos 590 alunos que estudavam do 6º ano do Ensino Fundamental em diante, 528 tinham o Vital como única fonte de aprendizado da língua inglesa, não estudando o idioma em escolas especializadas.

“A baixa porcentagem de alunos que estudam em escolas de idiomas (10,5%) não surpreende”, afirma a coordenadora de Inglês do Vital Brazil, Elaine Aaltonen. “A partir do 6º ano, o ensino de Inglês no Colégio passa por uma importante transição, estruturando-se exatamente como um curso de idiomas. Com um projeto consistente desde a Educação Infantil, nosso ensino de Inglês tem proposta pedagógica diferenciada e número de aulas acima da média em relação à maioria das escolas”, explica.

O principal diferencial das aulas de Inglês do Vital é a organização das turmas de acordo com o nível de conhecimento que os estudantes têm do idioma, e não pela série escolar, o que, segundo a coordenadora, é fundamental para otimizar o rendimento de todos. Além disso, as salas de aula são projetadas para acomodar no máximo 15 alunos e o aprendizado é beneficiado por equipamentos multimídia: computador, projetor, áudio, TV e DVD.

ingles vital brazil

O ensino de Inglês a partir do 6º ano

Para fazer a transição da primeira para a segunda etapa do curso de Inglês no Colégio, os alunos participam de uma prova escrita e uma oral no final do 5º ano do Ensino Fundamental, quando se avalia o grau de conhecimento dos alunos, que são classificados em diferentes níveis. As mesmas provas também são aplicadas aos alunos que começam a estudar no Vital Brazil a partir do 6º ano. 

Cada estágio dura seis meses e as turmas são organizadas por idades aproximadas. Como as atividades propostas em sala de aula são adaptadas para cada nível etário, o plano de ensino não funcionaria com idades muito distantes, e não seria possível conciliar os horários. No geral, a evolução do aluno nos estágios corresponde à evolução nas séries, mas, se for o caso, alunos do 6º ano podem estudar com alunos do 7º ano em uma turma de mesmo estágio, por exemplo.

Um dos desafios que os alunos enfrentam a partir do 6º ano, segundo a coordenadora Elaine Aaltonen, está na mudança de postura. “Eles precisam se adaptar ao ritmo, adotando uma nova rotina de estudos, que requer mais leitura, um grande volume de lições de casa e atividades de pesquisa. Para ajudá-los, temos um projeto de leitura chamado Reading Time, desenvolvido durante a última aula da semana, que possibilita que todos os alunos se envolvam na leitura de um texto em Inglês, de acordo com os diferentes gostos e necessidades. As leituras de gêneros variados servem de base para discussão ou apresentação oral”, afirma Elaine.

A coordenadora também destaca que todos os alunos têm condições de sair do Vital Brazil falando inglês fluentemente, em especial os que iniciam cedo no Colégio. “Nossos alunos têm a possibilidade de se preparar e prestar os exames para obtenção de certificados de Cambridge (FCE – First Certificate in English; CAE – Certificate in Advanced English; e CPE – Certificate of Proficiency in English) no próprio Colégio, que é um centro oficial de aplicação das provas da universidade inglesa. Nos últimos três anos, 45 alunos fizeram o FCE e todos foram aprovados, ou seja, tivemos 100% de aprovação”, completa.

O ensino de Inglês para alunos do Pré I ao 5º ano

Aprender inglês como se aprende a falar português, ou seja, como uma língua usada em situações reais do dia a dia, é um dos princípios por trás do projeto de Inglês do Vital Brazil para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental I, que preconiza o ensino do idioma a partir do uso natural – ouvir músicas, assistir a vídeos, fazer um piquenique, participar de brincadeiras do cotidiano – para, só mais tarde, sistematizar esse aprendizado com o domínio de uma gramática.

De acordo com a professora de Inglês do Vital Brazil, Maria Luciana Gomes, que dá aulas para turmas do Pré I ao 5º ano do Ensino Fundamental, “a proposta de trabalho no Vital para o ensino de Inglês é bem diferenciada. Geralmente, as escolas têm uma, às vezes duas aulas de Inglês por semana. Aqui, desde o Pré I, os alunos começam com quatro aulas de 45 minutos semanalmente. Essas aulas são divididas em três aulas do curso regular – no qual usamos material didático de ótima qualidade, com vários recursos multimídia – e uma aula de imersão”.

O curso de imersão, composto de três projetos anuais, contempla aulas que não utilizam material didático – ao contrário das aulas regulares, que contam com livros e tarefas escritas – e procura inserir o aluno num contexto de cultura inglesa por meio de brincadeiras, vídeos e atividades relacionadas à rotina das crianças de cada faixa etária. Os alunos do 5º ano, por exemplo, trabalharam com o filme “O Mágico de Oz” (o original, de 1939) nas aulas de imersão. Eles escolheram uma cena do filme, roteirizaram e interpretaram.

Para quem duvida que falar somente em inglês com as crianças desde o começo funciona, a professora Maria Luciana explica que o método é efetivo por dois motivos: “o primeiro é que a criança é um pouco menos resistente ao idioma do que o adulto, além de não ter a ‘exigência da aprendizagem’ que alguns adultos têm, por exemplo, por conta do trabalho. A criança vai aprender porque está nesse contexto e quer brincar, participar das atividades. O segundo motivo é que se não colocamos as crianças em um ambiente em que o idioma está sendo falado, damos a impressão de que aquela língua não é usada na prática. Por isso, partimos do que é o real, uma situação totalmente interacionista do uso da língua no dia a dia”.