Perdido nas certezas

Estadão

26 Abril 2011 | 02h02

Olá! Meu nome é Ederson Oliveira, tenho 17 anos e sou de São Vicente de Minas, cidadezinha de 7 mil habitantes do sul mineiro.

Concluí o ensino médio no ano passado e agora em julho me formo técnico em enfermagem. Quis fazer um curso técnico simultaneamente com o colégio para ter certeza se prestaria vestibular para a área da saúde. Não foi muito fácil, porque o curso é em outra cidade. Tinha que sair do Colégio Marista, onde estudei, ir para o estágio e, depois, para a aula. Mas não reclamo. Agora está muito claro para mim que, apesar de todas as dificuldades, é nesta área que vou me realizar. Ter feito o curso técnico me fez ver o papel do profissional da saúde no sentido de resgatar a humanização e buscar melhorias no sistema de saúde vigente (falho, sabemos).

Como disse acima, tenho me dividido entre estágios, apostilas e aulas, mas não consigo abandonar meus livros, filmes e músicas. Minha válvula de escape, o que me tira um pouco da rigidez da rotina e me faz pensar, é poder escutar música, ler. Absolutamente tudo que eu faço é acompanhado por música. Talvez esse encanto pelas artes tenha me deixado muito em dúvida quanto à faculdade. Jornalismo me interessa muito também.

Também estou na organização da formatura e em meio à elaboração do projeto de conclusão de curso. Todo mundo está muito preocupado com isso, mas outras coisas me assombram muito mais, enquanto profissional de enfermagem e candidato do vestibular da UFRJ. Enfim, depois falo mais sobre isso. Me sinto perdido nas minhas certezas, e pretendo compartilhar esse antagonismo com vocês.

Termino este primeiro post com um trecho de uma música da banda O Teatro Mágico, que tem me inspirado muito ultimamente. Até breve!

“De um lado a poesia, o verbo, a saudade
Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim
E o fim é belo incerto… depende de como você vê
O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só”

Ederson Oliveira é vestibulando e faz curso técnico em enfermagem