Estudantes corruptos?

Estadão

24 Fevereiro 2011 | 08h02

Como se não bastassem os inúmeros casos de fraude no vestibular, há também uma leva de candidatos que querem tirar proveito de ações afirmativas sem ter o direito a elas.

Essa semana, o 1º colocado em Medicina na UFRN teve sua vaga anulada por um “erro” na declaração de escolaridade. O “quase bixo”, que concluiu o ensino médio em escola privada, usou de uma artimanha muito malandra: vendo que não conseguia ser aprovado no concorrido curso, decidiu prestar a prova do EJA (Educação para jovens e adultos) para ganhar a bonificação social.

O rapaz discorda da decisão da universidade pois, segundo ele, mesmo sem a bonificação, seria aprovado no vestibular. Pelo visto, ele não entendeu o recado. O problema aqui não deve-se à pontuação que o candidato teve na prova, mas sim, o ato criminoso que praticara, passando na frente daqueles que estudaram e lutaram por uma boa colocação honestamente.

O caso só ganhou destaque na mídia por envolver o 1ºcolocado em Medicina. Imaginem o que acontece por aí, em outros cursos e em outras instituições, que também aderem às ações afirmativas.

Não é de graça que costumam afirmar que a corrupção já atingiu a toda sociedade. Inclusive os estudantes.

Bianca estudou por conta própria para entrar em Letras