Estelionato educacional

Estadão

15 Julho 2011 | 07h57

“Um verdadeiro estelionato educacional”. Com essas palavras, o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, definiu 81 faculdades de Direito que não aprovaram um candidato sequer no exame da OAB. Ao passar os olhos por essa manchete me senti no dever de comentar tal acontecimento.

Primeiramente, devo deixar claro que tal alcunha não se restringe ao curso de Direito. Imaginem se exames como esse fossem aplicados a todos recém-formandos? Provavelmente, o País que passou de subdesenvolvido à emergente em duas década – risos – passaria por sérios problemas de mão de obra. 

 Vejo a questão de modo simples:  é dever do Estado prover educação de qualidade a todos brasileiros. No entanto, por ser incapaz de realizar tal façanha, o estratégico setor da educação fica nas mãos da iniciativa privada – mania antiga, vide capitanias hereditárias. 

Fiscalizar universidades com baixo desempenho no Enade é uma medida correta, no entanto  meramente paliativa. Não se trata de uma questão educacional, e sim de consumo. Pessoas que trabalham arduamente para pagar a tão sonhada universidade são literalmente enganadas. Pessoas essas que antes eram discriminadas por não terem curso superior, e hoje, continuam sendo. Com outras palavras: “O Haiti é aqui.O Haiti não é aqui”

Caio Godinho é aluno do Anglo

Mais conteúdo sobre:

caiorotina de estudante