Unesp lança revista de divulgação científica
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Unesp lança revista de divulgação científica

Redação

25 Agosto 2009 | 22h44

Por Elida Oliveira

A retrospectiva de 400 anos de produção científica da Humanidade é o destaque da primeira edição da revista “Unesp Ciência”, que será lançada nesta quarta-feira, com distribuição gratuita nos 23 câmpus da Universidade Estadual Paulista e no site da instituição. A revista, de periodicidade mensal, terá um caráter menos acadêmico e mais de divulgação científica.

“A Unesp tem uma vasta produção científica e pegamos todo o Estado de São Paulo – de São Vicente até Ilha Solteira. Queremos que todo esse conhecimento chegue ao público, seja ele de universitários ou cientistas”, diz a editora-chefe da publicação, Giovana Girardi.


Capa da primeira edição da Unesp Ciência

Neste primeiro número são 48 páginas e tiragem de 25 mil exemplares. O projeto gráfico privilegia imagens, mas não deixa de trazer informações consistentes sobre a produção da universidade. Cada edição tem três grandes reportagens e seis matérias divididas em seções.

A reportagem sobre os 400 anos da ciência moderna – contados do momento em que Galileu Galilei apontou sua luneta para a Lua até os dias de hoje – ocupa oito páginas. Outra reportagem fala sobre o surgimento da água na Terra, usando como ponto de partida a curiosidade de desvendar por que os outros planetas do Sistema Solar não têm água abundante.

A seção Perfil traz a história de algum professor ou pesquisador da Unesp. Nesta edição, a personagem é a arqueóloga Ruth Künzli, pioneira da área na Unesp e responsável por preservar restos indígenas milenares na região de Presidente Prudente.

Noutra seção, Como se Faz, a revista pretende desvendar a prática da ciência. O primeira tema é a entomologia forense – técnica de análise de insetos que habitam corpos em decomposição e ajudam a perícia criminal a desvendar mistérios que cercam a morte das vítimas, no estilo do seriado americano “CSI”.

“Nos envolvemos muito no projeto”, diz a editora, que coordena uma equipe de cinco pessoas. E a atividade não se restringe aos teclados e computadores. Todos os meses, na seção Estudo de Campo, um repórter e um fotógrafo vão acompanhar pesquisadores em suas atividades fora dos laboratórios e bibliotecas. Para escrever a reportagem “No Rastro das Queixadas”, o repórter Igor Zolnerkevic passou cinco dias procurando em meio à mata as fezes de queixadas – espécie de porco-do-mato que vive na Ilha do Cardoso, litoral sul de São Paulo, na divisa com o Paraná.

“Até onde eu pesquisei, é a primeira publicação com esse perfil de divulgação científica, com texto leve, acessível, feita por uma instituição de ensino superior”, diz Giovana. Segundo ela, a única revista que se aproxima do modelo da “Unesp Ciência” é a editada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp).