As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Se a gente não receber, lixo vai dominar a universidade’

Redação Estadão.edu

13 Abril 2011 | 11h53

Carlos Lordelo, do Estadão.edu

A empresa União moveu nesta quarta-feira um mandado de segurança na Justiça. A empresa terceirizada de limpeza da USP pede que a universidade deposite na conta do sindicato dos trabalhadores terceirizados de limpeza o valor de R$ 146 mil – 59% do total devido aos trabalhadores terceirizados na universidade. O restante, diz a União, será de sua responsabilidade. ´

Os funcionários impediram durante toda a manhã desta quarta-feira a entrada de funcionários nas dependências do prédio da reitoria.

“Assim como a USP tem contrato com a União, eu também tenho meu contrato de aluguel, que já venceu. E eu não pude pagar por falta de salário”, diz a terceirizada que cuida da limpeza da Faculdade de Saúde Pública Elis Cavalcante de Melo, de 41 anos. Como os outros funcionários, ela não recebeu salário relativo ao mês de março.

Num palanque improvisado, uma funcionária que preferiu não ser identificada, avisou: “Se a gente não receber o nosso salário, o lixo vai dominar a universidade”.

Já Erineide Goes da Silva, de 38, que trabalha limpando as dependências do Instituto de Física, é mais pragmática: “A USP fica jogando para a União e a União para a USP. Isso é uma vergonha. A USP é rica e a União também. Elas ganham em cima da nossas costas e a gente ganha apenas um salário mínimo”.

Mais conteúdo sobre:

greve da limpezausp