As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Prova não teve grandes surpresas para professores do cursinho da Poli

Redação

28 Novembro 2010 | 20h42

Os professores do Cursinho da Poli avaliaram a prova da 1ª fase do vestibular da Fuvest, realizada neste domingo, como uma prova quase totalmente tradicional e de nível médio. Confira abaixo a análise por disciplina:

Inglês

Para a professora Lúcia Helena Martins de Souza, a prova foi de nível intermediário a avançado. “O que dificultou mesmo foram os textos com vocabulário difícil e um pouco mais espefícico, como um texto sobre medicamentos”. De acordo com ela, o candidato tinha que ter experiência de leitura para  conseguir fazer a prova. “O vocabulário foi mais difícil que nos anos anteriores, mas, na minha opinião, se os textos forem muitos fáceis, isso desistimula o aluno a estudar o idioma”.

Matemática

De acordo com o professor Eduardo Izidoro Costa, não havia questões com pegadinhas, mas eram bem trabalhosa. “A que exigiu mais raciocínio, na minha opinião, foi a 27 da prova V, que era de probabilidade”.

“Foi bem tradicional, bem estilo Fuvest e fugiu de tudo que aconteceu até agora  – Unicamp e Enem, por exemplo. Nestas outras provas, é comum acontextualização, nessa prova da Fuvest era a matemática pela matemática”.

Biologia

Segundo Eduardo Leão, a prova foi tradicional e tranquila. Os assuntos também foram abrangentes e valorizaram temas tradicionais como evolução e classificação biológica, enquanto temas mais atuais ficaram de lado. “São assuntos básicos que são fundamentais para a demonstração do conhecimento do aluno”. Para o professor, contudo, um tema que faltou foi fisiologia celular, a parte que fala de organelas das células. “Deveria aparecer na 1ª fase porque é um tema importante”.

Português

O vocabulário formal foi o que chamou mais atenção da progessora Cristiane. “Em enunciados e alternativas apareceram palavras difíceis, como conttiguidade, que nem todos conhecem, e que pode confundir o candidadato”.

Química

“Manteve o padrão de 2009, uma prova com a maioria dos conceitos tradicionais, cobrando pouco ou nenhum cálculo, então foi bastante conceitual”, disse o professor Rubens Faria.

Geografia

O professor Rui Calaresi considerou a prova equilibrada.”Foi bem elaborada, com textos, gráficos e mapas; exigiu conhecimentos básicos de conceitos de geografia, como escala cartográfica e  conceito de migração”. Foi bem abrangente nos assuntos, e assuntos ligados à atualidades: governo Obama, França e a questão da burca;  China.

História

Para o professor Elias Feitosa de Amorim Jr., a prova teve uma mudança significativa em relação às ultimas três: “nos últimos três anos, teve uma tendência maior a aparecer história do Brasil; nesta, das dez questões aparece apenas uma de história do Brasil”.

Segundo o professor, o aluno que for prestar a segunda fase, em janeiro, deve ficar atentos para temas que não apareceram nesta. “América Latina, por exemplo, deve ser cobrado”.

Física

A prova contemplou assuntos diversos, segundo o professor Sérgio Luiz Fernandes. “Não havia questões complicadas, estavam dentro de um nível tranquilo para uma primeira fase”. O professor apenas criticou a falta de rigor em passar alguns dados, como na questão sobre gases. “Davam a massa molar do éter como 74g, enquanto o correto é 74g/mol”, disse. “De qualquer forma, são coisas que não prejudicam a resolução”.

Mais conteúdo sobre:

análisefuvestpoli