Meu 3º Enem
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Meu 3º Enem

Redação

22 Outubro 2011 | 22h30

* Por Gustavo Antonio, especial para o Estadão.edu

Em 2011, fiz o Enem pela terceira vez em minha vida. E o que mais me chama atenção, além dos já tradicionais imensos textos que tornam a prova cansativa, é como a organização do exame torna-se cada vez mais rigorosa com questões de segurança – talvez motivada pelas polêmicas dos últimos anos. Em 2005 (quando entrei em Jornalismo), pude fazer a prova com celular no bolso e relógio no braço. No ano passado (já como candidato ao curso de Direito), me deparei com regras mais rigorosas, sendo obrigado a deixar o celular desligado embaixo da mesa.

Neste ano, além da obrigatoriedade do uso de caneta preta, os candidatos tiveram que tirar a bateria de seus celulares e colocar os objetos em um envelope, que em seguida era lacrado – relógios e outros aparelhos do tipo também deveriam ser guardados no envelope. Na ida ao banheiro, sempre havia um fiscal na porta.

Além disso, uma instrução arrancou um sorriso indignado de um dos meus colegas de sala: antes da prova, o fiscal anunciou que os rótulos das garrafinhas de água deveriam ser retirados. Outra medida de segurança curiosa foram as frases que vinham no caderno de questões para serem transcritas na folha de respostas. A minha, por exemplo, foi: “Há um frio e um vácuo no ar”.

Entendo todas essas medidas, mas acredito que chegam a ser exageradas em certo ponto, podendo deixar o candidato ainda mais tenso para fazer a prova.

Felizmente, neste ano não ocorreram erros de impressão dos cadernos de questões e de respostas (como em 2010), nem outro tipo de incidente – pelo menos em minha sala. Já a prova propriamente dita, apesar de não ter sido de grande dificuldade, apresentou textos enormes, deixando qualquer candidato exausto ao final das 90 questões – sem contar as outras 90 perguntas e a redação que deverão ser feitas neste domingo.

Gustavo Antonio, de 23 anos, é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, fez o Curso de Jornalismo do ‘Estadão‘ em 2010 e presta vestibular para Direito