As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mães fazem amizade em porta de local de prova

Redação

14 de novembro de 2010 | 18h53

Rejane Lima / SÃO VICENTE

São  Vicente – Moradoras de Guarujá, Mongaguá, e Peruíbe, três mães de alunos conversavam na frente do local da prova enquanto aguardavam a saída dos seus filhos. “A gente já contou a vida toda uma para a outra”, explica a decoradora Carla Soares, de 40 anos, que mora na Enseada, no Guarujá.
 
Mãe de Fernanda Soares, de 17 anos, que concorrer a uma vaga no curso de Engenharia Civil, Carla está confiante na capacidade intelectual da filha em encarar a prova, mas teme que ela seja imatura para morar sozinha em outra cidade. “Ela está prestando também na Universidade Federal de Goiás (UFG) e como a minha mãe mora em Goiânia, daí ficaria mais fácil”, afirma ela.
 
A possibilidade dos filhos se mudarem para outras cidades também preocupava as outras duas mães. “O que? Jornalismo é em Bauru? Pensei que fosse em São Paulo, então ela não vai”, disse a moradora de Mongaguá, Diva Mota Kobayashi, de 53 anos, mãe de Carolina Mota Kobayashi, de 17, que concorre a uma vaga no curso de Jornalismo.
 
“Ele está todo animado com a faculdade, três amigos estão fazendo federais. Eu estou torcendo para ele passar, mas se passar e for morar em Guaratinguetá eu vou sofrer”, afirma a comerciante de Peruíbe, Silva Baba, de 42 anos, mãe de Igor Baba, de 18, que concorre ao curso de Engenharia de Produção.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.