As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mães fazem amizade em porta de local de prova

Redação

14 Novembro 2010 | 18h53

Rejane Lima / SÃO VICENTE

São  Vicente – Moradoras de Guarujá, Mongaguá, e Peruíbe, três mães de alunos conversavam na frente do local da prova enquanto aguardavam a saída dos seus filhos. “A gente já contou a vida toda uma para a outra”, explica a decoradora Carla Soares, de 40 anos, que mora na Enseada, no Guarujá.
 
Mãe de Fernanda Soares, de 17 anos, que concorrer a uma vaga no curso de Engenharia Civil, Carla está confiante na capacidade intelectual da filha em encarar a prova, mas teme que ela seja imatura para morar sozinha em outra cidade. “Ela está prestando também na Universidade Federal de Goiás (UFG) e como a minha mãe mora em Goiânia, daí ficaria mais fácil”, afirma ela.
 
A possibilidade dos filhos se mudarem para outras cidades também preocupava as outras duas mães. “O que? Jornalismo é em Bauru? Pensei que fosse em São Paulo, então ela não vai”, disse a moradora de Mongaguá, Diva Mota Kobayashi, de 53 anos, mãe de Carolina Mota Kobayashi, de 17, que concorre a uma vaga no curso de Jornalismo.
 
“Ele está todo animado com a faculdade, três amigos estão fazendo federais. Eu estou torcendo para ele passar, mas se passar e for morar em Guaratinguetá eu vou sofrer”, afirma a comerciante de Peruíbe, Silva Baba, de 42 anos, mãe de Igor Baba, de 18, que concorre ao curso de Engenharia de Produção.