Cultura maker na escola incentiva aluno a pôr a ‘mão na massa’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura maker na escola incentiva aluno a pôr a ‘mão na massa’

Para professor, ideia é inverter a lógica do ensino, com foco em como os estudantes aprendem e não no conteúdo que é passado

Redação Estadão.edu

04 Abril 2017 | 13h21

Por Luiz Fernando Toledo

SÃO PAULO – Incentivar o estudante a criar e aprender com o processo de criação. Essa é a principal lição da cultura maker na escola, tema de palestra dada pelos professores Fábio Zsigmond, do Mundo Maker, e Jordan Budisantoso, da Washington Leadership Academy, nos Estados Unidos, durante o “Transformar 2017”, evento sobre inovação na educação promovido pela Fundação Lemann que ocorre nesta terça-feira, 4, em São Paulo.

'Transformar 2017' recebe especialistas de vários países para discutir as inovações na educação (Foto: Instituto Península)

‘Transformar 2017’ recebe especialistas de vários países para discutir as inovações na educação (Foto: Instituto Península)

O Mundo Maker atua em diversas escolas e tem como foco a criação de um ambiente em que alunos possam aprender o conteúdo curricular tradicional por meio de projetos que eles mesmos queiram fazer e criar.

Zsigmond afirmou que a ideia do Mundo Maker é inverter a lógica da aprendizagem, com foco em como os alunos aprendem e não no que é ensinado. “É mostrar como o aluno vai aprender, não como vai ensinar. Muitas vezes, o professor foca demais no currículo e não se o aluno está aprendendo de fato.”

O professsor citou que o espaço maker deve ter professores de todas as disciplinas, para que o conteúdo seja passado de forma interdisciplinar.

Já Budisantoso, que é professor de Ciência da Computação, destacou como a tecnologia da realidade virtual pode ser usada para ensinar em sala, mesmo sem o uso de muitos recursos.

“Nós ensinamos as ferramentas básicas ao aluno e depois estabelecemos desafios a serem cumpridos até o fim do projeto”, contou.