As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Congresso de Leitura na Unicamp

Redação

14 Julho 2009 | 16h52

Por Bruna Tiussu

Organizado pela Associação de Leitura do Brasil (ALB) e com sede na Unicamp, o 17º Congresso de Leitura (Cole) será realizado de 20 a 24 de julho. A edição é comemorativa, neste ano o evento completa 30 anos. Criado em 1978 por um grupo de professores da Faculdade de Educação da Unicamp, o congresso discute educação, leitura e políticas públicas reunindo professores, estudantes, livreiros e autores.

O primeiro congresso foi realizado em plena ditadura militar. “O Cole surgiu junto com os movimentos para formar leitores. Nos anos 80 a realidade que víamos era a dos brasileiros que não liam e a falta de livros nas escolas”, lembra Norma Sandra de Almeida Ferreira, coordenadora geral do 17º Cole e presidente da ALB.

Segundo Norma, nas primeiras edições discutia-se a formação e educação do leitor e agora, trinta anos depois, a temática é mais ampla. “Há a questão da leitura nas suas interfaces, com as mídias digitais por exemplo, e os últimos Coles discutem a democratização da leitura. Os temas foram se multiplicando porque hoje temos um campo de leitura mais consistente e maior produção de estudos”.

O primeiro congresso teve 200 participantes. O evento deste ano já tem mais de 5200 inscritos, quase 2 mil trabalhos para serem apresentados e 70 palestrantes. A programação do 17º Cole conta com conferências nacionais e internacionais e mesas-redondas que se dividem em 21 eixos temáticos. Os mais procurados, segundo Norma, são: letramento e alfabetização, literatura infanto-juvenil, linguagem e políticas públicas em leitura.

Em comemoração aos 30 anos do congresso, também terá mesas ligadas à memória do Cole. “Acumulamos muito conhecimento e também discussões sobre a leitura. Queremos colocar isso tudo em pauta”, explica Norma.
Sobre o progresso da leitura no Brasil, Norma diz que ainda há muito que melhorar. “O acesso aos livros ainda não é fácil, mas de certa maneira há políticas públicas nas escolas. Temos que pensar que não basta dar o livro, há que se trabalhar os modos de leitura, que não é universal, temos motivos e finalidades diferentes. Falta a discussão da leitura como prática”.

Paralelamente ao Cole, está prevista a 8ª Feira de Leitura e Arte que, sob a coordenação da Editora da Unicamp, reunirá cerca de 50 editoras no Ginásio Multidisciplinar da universidade.

Confira aqui a programação completa do 17º Cole.