As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Candidatos entraram às 13h12 na Uninove

Redação

05 Dezembro 2009 | 13h31

Houve muita confusão no início da tarde na Uninove da Barra Funda, zona oeste, com cerca de 150 estudantes tentando entrar no câmpus para prestar o Enem, aos gritos de “Abre, abre” e “Vamos arrombar”. O acesso ao local ficou totalmente liberado até 13h11, muito depois do horário determinado pelo MEC, 12h55. Mesmo assim, às 13h12 mais de 60 estudantes aproveitaram que os portões continuavam entreabertos e conseguiram se esgueirar para entrar nos locais de prova.
Quem ficou de fora reclamou. “Saí de casa às 10h30, mas peguei uma passeata de cadeirantes e muito trânsito”, disse Jeiziane Godoi, de 17 anos, candidata a uma vaga no curso de Enfermagem da PUC. “Precisava muito da nota do Enem.”
Pouco antes das 14 horas, a Polícia Militar teve de intervir para dissolver uma manifestação de cerca de 20 estudantes, que se sentaram no asfalto da Rua Tagipuru, bloqueando o tráfego diante do câmpus para protestar por terem perdido o exame. “Queremos o Enem”, gritavam os vestibulandos.
Ruisdael Wellington de Castro Maia, de 18 anos, estava inconsolável. Ele já tinha entrado numa sala da Uninove quando percebeu, por volta das 12h20, que tinha esquecido o documento. Ruisdael pediu a sua mãe que fosse buscar o RG. Quando ela chegou com a identidade, não havia nenhum fiscal para levar o RG até a sala. O estudante disse ter sido tirado à força do local de prova. “Fui tratado com descaso”, criticou.