As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

CA da FEA não adere à greve na USP

Redação

09 Novembro 2011 | 09h16

O Centro Acadêmico Visconde de Cairu, entidade que representa os alunos da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, divulgou na noite de terça nota sobre a greve de estudantes, votada  duas horas antes em assembleia. O texto pede que não haja adesão à paralisação dentro do perímetro da FEA.

“O que houve no campus do Butantã hoje (terça)”, diz a nota, “assim como o que transcorreu nas últimas semanas, é sintoma de que a discórdia se instalou dentro da comunidade universitária. Nessa situação, só  há um caminho a ser trilhado: o caminho do diálogo. Com efeito, o sequestro de prédios públicos e a suspensão das atividades discentes devem ser rejeitados. É preciso lamentar a polarização que se vê hoje na universidade. É com tristeza, enfim, que se observa estudantes serem feitos reféns por grupos extremistas. Qualquer manifestante perde sua legitimidade quando o que se apresenta ao público é o abandono dos princípios republicanos”.

Leia a nota na íntegra:

“São Paulo, 8 de novembro de 2011

NOTA PÚBLICA SOBRE A GREVE GERAL

A Diretoria do Centro Acadêmico Visconde de Cairu acaba de ser informada que, durante Assembléia Geral do Diretório Central dos Estudantes ocorrida na tarde desta terça-feira, teria sido aprovado o início imediato de uma greve estudantil na Universidade de São Paulo.

Diante de tal fato, é importante lembrar que a entidade de base que representa os alunos da  FEA USP discorda das pautas e dos métodos utilizados pelos setores mais radicalizados e, em  respeito aos seus associados, indica que não haja adesão a essa paralisação dentro do perímetro  da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade.

O que houve no campus do Butantã hoje – assim como o que transcorreu nas últimas semanas – é sintoma de que a discórdia se instalou dentro da comunidade universitária. Nessa situação, só  há um caminho a ser trilhado: o caminho do diálogo. Com efeito, o sequestro de prédios públicos e a suspensão das atividades discentes devem ser rejeitados.

É preciso lamentar a polarização que se vê hoje na universidade. É com tristeza, enfim, que se  observa estudantes serem feitos reféns por grupos extremistas. Qualquer manifestante perde  sua legitimidade quando o que se apresenta ao público é o abandono dos princípios republicanos.

O Centro Acadêmico Visconde de Cairu, uma vez mais, reafirma sua disposição ao diálogo responsável. A questão da segurança na nossa universidade é um assunto sério demais para ser  resolvido através de fórmulas cortantes. Se o convênio firmado entre a USP e a Secretaria de  Segurança Pública é insuficiente, o debate que se deve ter é sobre o seu aprimoramento, não  sobre o abandono de seus avanços.

A autoridade policial, como já foi dito, tem seu papel dentro dos campi, e deve sempre respeitar  a autonomia universitária. O que precisa ser discutido, pois, são os pormenores da atuação da  PM e de sua integração com a comunidade. Alunos, professores e funcionários da USP têm, diante de si, uma possibilidade única: estabelecer, dentro da universidade, um modelo de policiamento comunitário que sane os vícios eventualmente presentes na corporação policial e que  sirva de exemplo para o restante da sociedade. A intransigência, contudo, não pode ser o caminho.”

Mais conteúdo sobre:

c&aFEAgreveusp