As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Alunos do ensino médio da rede estadual de SP fazem cursinho online gratuito para a Fuvest

Redação Estadão.edu

21 Novembro 2013 | 16h05

A poucos dias da Fuvest, que ocorre no dia 24 de novembro, os alunos do ensino médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da rede estadual de São Paulo fazem um cursinho online gratuito voltado aos principais vestibulares do País, no site da  Escola Virtual de Programas Educacionais do Estado de São Paulo (Evesp). A plataforma foi lançada em outubro deste ano, no período de preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Para acessar o cursinho, os alunos não precisam fazer matrícula, basta que informem o registro do aluno (RA). No site, o estudante encontra um simulado virtual e gratuito baseado em questões que caíram na Fuvest e outros vestibulares, como os da Unesp e da Unicamp, realizados nos últimos 10 anos. Além do simulado, o participante tem orientação simultânea sobre os erros e acertos das perguntas, com indicações dos materiais de referência que devem ser aprofundados em cada assunto para ajudar na preparação dos vestibulandos e que podem ser levados para a sala de aula e discutidos com os professores.

‘Horário de pico’. O cursinho preparatório fica disponível 24 horas por dia, mas levantamento da Secretaria Estadual de Educação apontou que o horário em que há mais acessos ao site é o do almoço. Só na última semana, monitoramento por amostragem registrou que 27% dos acessos ficaram concentrados em apenas duas horas, entre 13h e 15 horas.

Estudos. Fazer uma faculdade após concluir o ciclo escolar está nos planos de 80% dos 270 mil estudantes do 3º ano do ensino médio da rede estadual, revelou uma pesquisa da Secretaria. Cerca de 69% deles devem ainda conciliar o ensino superior com um emprego. As carreiras preferidas entre os que já escolheram a profissão são Engenharia e Ciências Tecnológicas (21,3%), seguidas por Ciências Biológicas e Saúde (13,2%) e Ciências Humanas (11,3%).

Mais informações: http://oesta.do/1c6p3Wu