As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aluna orientada incorretamente por fiscal não recebeu outro cartão-resposta

Redação

06 Novembro 2010 | 18h50

Na Unisa Câmpus 3, a maior parte dos alunos elogiou a atuação dos fiscais, que tranquilizaram os candidatos e forneceram a orientação correta: ignorar o cabeçalho do cartão-resposta e preenchê-lo normalmente, de 1 a 90.

Mas não foi assim com todos. Mariana Moreira, de 18 anos e que quer estudar Direito, relatou um incidente que ocorreu em sua sala. Uma aluna percebeu a diferença entre a instrução da prova e a que constava no cartão-resposta, e perguntou a respeito para a fiscal. A fiscal reiterou a instrução, então a aluna continuou a preencher o gabarito errado.

Após alguns minutos, um supervisor entrou na sala, dizendo: “a questão 1 é a 1; a questão 46 é a 46”. Nesse momento, essa outra aluna se levantou e protestou a instrução, pois já tinha começado a preencher o gabarito. Não foi dado a aluna outro cartão-resposta.