As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em parceria com ‘Estado’, adolescentes cobrem os bastidores da Flip

Redação

02 Julho 2012 | 20h04

A Feira Literária Internacional de Paraty (Flip) começa somente na próxima quarta-feira, 4, mas desde ontem a cidade foi tomada por cerca de 40 jovens estudantes que estão correndo atrás das notícias mais quentes da festa e da preparação dela. Eles fazem parte da FlipZona, braço educativo da festa voltado para o público adolescente e que neste ano recebe, pela primeira vez, a parceria de O Estado de S. Paulo.

O repórter Paulo Saldaña, do caderno Vida, acompanha os participantes desde a pauta à edição dos textos. Os próprios estudantes, todos moradores de Paraty, são os responsáveis pela cobertura que vai mostrar os bastidores da Flip, os detalhes da programação, descobrir os personagens anônimos e também os famosos que visitam a charmosa cidade na divisa entre Rio e São Paulo.

Redação. Em um casarão centenário da Rua Matriz, – ao ladinho da Igreja de Santa Rita, cartão postal da cidade – funciona a redação da Central FlipZona. Os jovens têm entre 14 e 18 anos e se dividem em dois turnos. “Decidi participar pela curiosidade de conhecer mais dos escritores que vão vir”, diz o estudante Samuel Leão de Souza, de 14 anos, aluno da Escola Estadual Cembra.

Os repórteres da FlipZona também vão acompanhar a programação oficial da Flip. As mesas com autores começam na quarta-feira e terminam no domingo.

As reportagens da equipe, em textos, fotos e vídeos, já começaram a ser publicadas no blog flipzona.org.br. Pelo twitter do Estadão.edu também será possível ver os destaques. A FlipZona é tocada pela ONG Casa Azul, responsável pela festa de Paraty.