As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A gente não é Power Ranger

Redação

06 Novembro 2010 | 12h15

“A gente não é Power Ranger para colar usando relógio”, reclamou André Reis, de 20 anos, às 11h50, na porta da Unip do Paraíso, zona sul. Candidato a uma vaga em Moda no Senac ou na Santa Marcelina, André achou “desnecessário” o Inep ter proibido o uso de relógio, lápis e borracha nos locais de prova do Enem. “Todo mundo tem bom senso para não tentar colar numa prova nacional como esta.  Não estamos mais  no ensino médio.”

André lamentou especialmente a impossibilidade de escrever a lápis. “Quando você escreve a primeira versão a lápis, dá pra reavaliar a prova, lapidar. Acho que o Inep obrigou a usar caneta para a gente escrever direto, mas  isso não tem nada a ver.”

Amiga de André, Alana Santos, de 19 anos, também está prestando o Enem pela segunda vez. Quer cursar  Design e tem como opções a Uninove, a FMU, Anhembi-Morumbi. Disse que prefere fazer “questões discursivas”, para “argumentar com minhas próprias  palavras”, em lugar de testes. “Tem muita pegadinha.” Alana deve sofrer no Enem, já que todas as provas têm testes, com exceção da redação.