Travestis e transexuais poderão ser tratadas por nome social em escolas de SP

Paulo Saldaña

22 de abril de 2014 | 20h02

Travestis e transexuais poderão escolher ser tratadas pelo nome social nas escolas de educação básica do Estado de São Paulo.  Os alunos terão o nome social e o nome de registro em listas de chamada, diários de classes e em todo controle de vida escolar.

Parecer com essa indicação será  analisado nesta quarta-feira, dia 22, pelo Conselho Estadual de Educação (CEE). Segundo o relator, Francisco Antônio Poli, não há polêmica sobre a deliberação entre os conselheiros. “Já há garantia constitucional, lei estadual e decreto. Vamos decidir como fazer algo que já está definido”, disse.

Após decisão, o Conselho publica uma deliberação que passa a valer como norma para as escolas – públicas e particulares.

O texto prevê que alunos menores de idade terão de ter aprovação dos responsáveis para solicitar à escola o acréscimo do nome social. No histórico escolar e diploma, continuarão os nomes de registro.

Outros Estados, como Bahia e Sergipe, já preveem o uso do nome social nas escolas. Na Câmara Federal, debates sobre o gênero travaram recentemente a tramitação do Plano Nacional de Educação (PNE). O artigo que falava de questão de gênero foi retirado do texto base, aprovado agora há pouco na Comissão Especial da casa.

Leia aqui reportagem sobre aprovação do PNE!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.