TCE recusa contas da USP por supersalários

Paulo Saldaña

15 Abril 2014 | 19h52

COM VICTOR VIEIRA

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) de São Paulo recusou as contas da Universidade de São Paulo (USP) no exercício de 2011. Entre os pontos rejeitados, estão salários de 167 professores acima do teto constitucional e a situação ambiental da USP Leste.

O ex-reitor João Grandino Rodas foi multado em cerca de R$ 40 mil. O TCE deu 60 dias para que o atual reitor, Marco Antonio Zago, encaminhe as providências tomadas.

Um dos salários que estavam acima do teto em 2011 era exatamente o de Zago. À época, ele recebia R$ 23,6 mil, quase R$ 5 mil a mais que o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB) – que na época recebia R$ 18.725,00. Rodas recebia R$ 3,9 mil acima do governador e o então diretor da USP Leste, Jorge Boueri Filho, R$ 3,2 mil a mais.

Boueri é apontado como responsável pelo descarte de terras poluídas no câmpus leste, o que agravou a situação ambiental da unidade. A USP Leste está interditada desde o início do ano.

O órgão já havia rejeitado as contas da instituição referentes ao ano de 2008 também por causa de supersalários. Leia mais aqui.

Atualizada às 20h08 do dia 16/4 para correção do valor do salário do atual reitor em 2011. O valor publicado anteriormente era o bruto, sem contar descontos. Para reportagem completa:http://www.estadao.com.br/noticias/vida,supersalario-na-usp-faz-tribunal-rejeitar-contas,1154681,0.htm