Com parceria do ‘Estado’, jovens de Paraty cobrem a Flip

Com parceria do ‘Estado’, jovens de Paraty cobrem a Flip

A FlipZona é o braço da festa voltado para o público adolescente

Paulo Saldaña

02 Julho 2015 | 16h04

A maior equipe jornalística que cobre nesta semana a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) é composta por 65 jovens com idades entre 13 e 18 anos. Todos são moradores da cidade e se inscreveram para fazer parte da FlipZona, braço da festa voltado para o público adolescente.

Pelo quarto ano consecutivo, a redação da Central FlipZona conta com a parceria do Estadão. O repórter Paulo Saldaña, autor deste blog, acompanha os jovens da pauta ao texto.

entrev2

entrev

Com bloco e câmera na mão, os jovens repórteres desvendam os segredos da cidade, repercutem preocupações dos moradores e falam sobre os atrativos da Flip a partir da perspectiva da população local. A programação das mesas literárias também não fica de fora do radar dos jovens.

Neste ano, a expectativa dos moradores, comerciantes, dos turistas, o sentido da leitura e reflexões sobre a obra de Mário de Andrade, autor homenageado, já viraram pauta nas mãos dos repórteres. Confira toda a produção no blog da FlipZona.

A estudante Nathália Nascimento, de 14 anos, participa da Central pela segunda vez. “No ano passado, fui para a praia e fiz uma crônica sobre o lugar. Depois do retorno que tive, percebi: ‘eu tenho talento para isso’”, disse Nathália. “Por causa da FlipZona descobri o que quero ser quando crescer, quero ser jornalista”, completa. Confira aqui e aqui dois textos que a Nathália fez nesta semana.

gnews

A FlipZona existe desde 2009  e a Central montada na Flip é parte de um trabalho desenvolvido ao longo do ano. Confira aqui a programação da FlipZona.

A coordenadora da FlipZona, Aline Resende, ressalta a importância de descobrir os potenciais nos jovens a partir dos trabalhos em texto, foto e vídeo. “Quando os jovens reagem com brilho nos olhos, voltam no outro dia antes mesmo do horário, ai percebemos o sentido do que a gente faz”, diz ela. Aline ressalta que os jovens têm toda a liberdade para a abordagem e há o esforço para aprimorar a parte técnica. “Sempre nos esforçamos para que as técnicas de foto, texto e de vídeo sejam trabalhadas a favor dos temas e do conhecimento que a gente discute aqui”.

A cobertura vai até o domingo. A Central ainda conta com a colaboração do escritor Leandro Leocadio e da equipe do Estúdio Tequila.

Se estiver por Paraty, aproveite para visitar nossa redação: estamos em um casarão na Praça da Matriz, onde era o antigo cinema. Estamos junto com a biblioteca da Flipinha.

redacao1

Mais conteúdo sobre:

Flip