Segunda fase: diferenças entre Unicamp, Fuvest e Unesp

Segunda fase: diferenças entre Unicamp, Fuvest e Unesp

Oficina do Estudante

12 de dezembro de 2019 | 14h09

Segunda fase: diferenças entre Unicamp, Fuvest e Unesp

Por Colégio Oficina do Estudante
Imagem: Pexels

Segunda fase

O primeiro aspecto a pontuar é que as três são provas completamente diferentes.

Isso quer dizer que são estratégias distintas de avaliar o candidato.

Enquanto a Unesp prioriza as questões de humanidades, independentemente do curso escolhido (2/3 são de questões voltadas às Humanas), preste o aluno medicina, engenharia ou letras, a Unicamp privilegia inglês e interdisciplinaridade.

A Fuvest, por sua vez, o conhecimento do candidato em relação à área do curso escolhida (como geografia e história, para jornalismo, por exemplo).

Por outro lado, os dois únicos aspectos semelhantes entre esses três processos são:
– todas essas 2ªs fases são de provas dissertativas
– em todas elas há redação

A Unesp

O aluno que pensa na Unesp precisa pensar em Humanidades como um eixo fundamental – independente da carreira escolhida.

É comum, por exemplo, os candidatos acharem que física e matemática são os grandes terrores.

Mas, na Unesp, desde a 1ª fase, essas disciplinas têm um peso muito menor do as de humanas.

Isso porque a prova da 2ª fase é composta por:

12 questões de:
– Português
– Literatura
– Inglês
– Educação Física
– Arte

12 de:
– História
– Geografia
– Sociologia
– Filosofia

12 de:
– Física
– Química
– Biologia
– Matemática

Unicamp

Ao contrário da Unesp, a Universidade Estadual de Campinas apresentou este ano uma prova nova.

Sua 2ª fase terá dois dias, sendo o primeiro com questões de português e literatura, mais quatro interdisciplinares, sendo duas delas de inglês e ciências da natureza e outras duas de inglês e ciências humanas.

Os textos aparecem em inglês, mas o aluno precisa mobilizar os conhecimentos das disciplinas específicas (de humanidades e ciências da natureza) para resolver as questões.

Isso é bem importante porque a Unicamp está colocando em primeiro plano a ideia da fusão das caixinhas.

A gente tem um ensino baseado em disciplinas, o que é muito bom, em muitos aspectos, mas é preciso que o aluno desenvolva a habilidade de fazer as caixinhas conversarem.

E isso é privilegiado na Unicamp.

No segundo dia, a prova é mais extensa: todos os candidatos vão fazer:
6 questões de matemática
4 questões interdisciplinares (duas focadas em ciências humanas e duas em ciências da natureza)
e mais duas provas, de 6 questões cada, de disciplinas específicas em função do curso que estão prestando.

Exemplo: se o aluno está prestando um curso da área de biológicas, vai fazer biologia e química.

Se está prestando Exatas, física e química.

Se humanas, história, geografia, filosofia e sociologia.

Em comparação com a Unesp, existe um equilíbrio maior entre as disciplinas, com o privilégio de disciplinas específicas.

Ou seja, o aluno precisa ter um bom repertório em todas as disciplinas.

E esse processo atinge o seu ápice na Fuvest.

Fuvest

O aluno tem dois dias de prova, sendo o primeiro de português e redação, e, o segundo, só de matérias específicas.

Pra muitos candidatos, por exemplo, matemática não aparece na segunda fase.

Para outros, história, ou biologia.

Então, temos uma progressão com esses diferentes modelos.

Segunda fase

É importante que o aluno perceba que, se está prestando os três, vai se deparar com três modelos de provas diferentes, e deve se preparar para tudo.

Em conclusão, deve estudar tudo.

Seja porque fará uma prova de muitas questões de humanidades na Unesp, seja porque elas vão aparecer de forma interdisciplinar na Unicamp, seja porque só na Fuvest o candidato terá liberdade maior para não estudar algumas disciplinas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: