Redação na Unesp: entenda os critérios e veja dicas para ir bem na prova

Redação na Unesp: entenda os critérios e veja dicas para ir bem na prova

Oficina do Estudante

10 de novembro de 2021 | 11h46

A Fundação Vunesp, responsável pela organização do Vestibular da Universidade Estadual Paulista (Unesp), utiliza três critérios para avaliar a prova de Redação, considerando, respectivamente: Tema; Gênero/Tipo de Texto; a Coerência do Texto; e a Modalidade Formal da Língua Escrita e a Coesão. A afirmação é da professora de Português e Redação do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante de Campinas (SP), Jéssica Vasconcelos Dorta.

Leia: A pandemia será novamente assunto nos Vestibulares e Enem? 

Acompanhe a correção comentada da 1ª fase! 

Sobre o Critério A, que trata sobre o Tema, a docente explica que toda proposta de redação aborda um determinado assunto, que não pode ser apresentado de forma ampla. Deste modo, pontua, o Tema refere-se à delimitação desse assunto. “É importante que o candidato demonstre em seu texto ter compreendido o recorte temático da proposta. Para isso, mostra-se fundamental uma leitura cuidadosa e atenta da Proposta de Redação (coletânea, comando e frase temática), pois isso possibilitará a compreensão da tarefa que está sendo solicitada”, orienta.

Jéssica Dorta detalha que o Critério B avalia, de forma conjunta, o cumprimento do Gênero/Tipo de Texto e a Coerência do Texto. Comenta que a Unesp solicita em sua proposta de redação o gênero dissertação escolar, “que se caracteriza por analisar, explicar, interpretar e avaliar os vários aspectos associados a uma determinada questão”. Assim, frisa que espera-se que o aluno não mobilize apenas informações expositivas sobre um determinado tema. Mas que o analise e, a partir disso, defenda um ponto de vista. Para isso, “é preciso argumentar, ou seja, apresentar fatos, informações, razões lógicas, etc. que comprovem a tese defendida no texto”.

Na avaliação da coerência, por sua vez, afirma que observa-se como o candidato seleciona, organiza e desenvolve os argumentos apresentados. “Diferentemente da redação do Enem que exige a mobilização de um repertório legitimado externo aos textos da coletânea, na redação da Unesp é possível que o candidato tire nota máxima no segundo critério apenas com ideias que surgem da reflexão que faz a partir da leitura da coletânea”, compara.

A professora considera importante destacar que “o texto deve ser autônomo e deve considerar um público leitor universal, ou seja, é preciso que as ideias apresentadas sejam suficientes para que esse leitor final compreenda o assunto e seja conduzido por meio da construção da argumentação”.

Por fim, Jéssica Dorta pontua que Critério C examina dois aspectos fundamentais da produção textual: a Modalidade Formal da Língua Escrita e a Coesão. Em relação à modalidade, pontua que avalia-se os recursos formais da língua portuguesa expressos na superfície textual. Isto é, as regras da norma culta da língua (regras ortográficas, sintáticas e morfológicas), além da escolha lexical e do grau de formalidade imposto pelo gênero. “No que diz respeito à coesão, julga-se a capacidade de o aluno utilizar recursos coesivos da língua (lexicais, sintáticos e semânticos) de modo a tornar a relação entre frases e entre parágrafos do texto evidente e precisa”, encerra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.