O que é essencial em Sociologia e Filosofia? Veja as dicas

O que é essencial em Sociologia e Filosofia? Veja as dicas

Oficina do Estudante

05 de agosto de 2019 | 09h33

O que é essencial em Sociologia e Filosofia? Veja as dicas

O que estudar para se preparar para as provas de Filosofia e Sociologia?

A professora Jéssica Omena Valmorbida, de Ciências Humanas, da Oficina do Estudante, tem dicas preciosas para quem precisa se organizar nos estudos dessas disciplinas.

O que é essencial em Sociologia e Filosofia

Como Filosofia e Sociologia foram incorporadas ao currículo do ensino médio recentemente, ainda não há um programa consolidado, afirma a docente.

“USP e Unicamp, por exemplo, não informam nos programas de seus vestibulares os tópicos dessas disciplinas. Então, na maior parte dos vestibulares, a tendência é que as questões seja mais gerais”, afirma.

Mas há exceções, como os vestibulares da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e da Universidade Estadual de Maringá (UEM), que costumam incluir questões bem específicas.

Clássicos

Então, o importante, é conhecer as características gerais dos diferentes períodos e alguns autores tradicionais:

Antiguidade: Sócrates e Platão.

Idade Média: Santo Agostinho e São Tomás de Aquino.

Modernidade: Descartes, Kant, Nietzsche e Schoppenhauer.

Na Sociologia, também há autores clássicos, que merecem um olhar cuidadoso por parte dos vestibulandos.

“É imprescindível saber um pouco sobre Karl Marx, Weber e Durkhein. Também é bom estudar um pouco sobre Positivismo, que está na base, na fundação da Sociologia”, comenta Jéssica.

Mas é preciso conhecer toda a obra desses autores?

Como dar conta de tanta leitura?

O ideal seria isso, mas diante da carga de estudos que os vestibulares exigem, a professora Jéssica dá outra dica:

“A primeira coisa é entender que não existe uma produção de conhecimento, na filosofia ou sociologia, que esteja fora do seu tempo. Todo filósofo e todo sociólogo estão tentando a uma questão que o seu tempo presente lhe coloca”, explica ela.

Então, na Antiguidade, as questões centrais geralmente são sobre temas como o surgimento da democracia ou o consolidação das cidades. Na Idade Média, em que a Igreja é uma insituição que produz, delimita e gera os saberes, não existe filosofia que esteja aquém dessa problemática.

“Na Modernidade é a mesma coisa: a maior parte dos filósofo dessa época se debruce sobre questões ligadas à organização social a partir do modelo de produção instaurado pela Revolução Industrial”, analisa.

Teorias

Então a dica é: ainda que você não tenha ouvido falar daquele filósofo, procure pensar nas teorias dele a partir do momento histórico em que ele está inserido.

Em Sociologia, a professora Jéssica aposta em temas relacionados à organização do modelo politico.

“Falou-se muito recentemente da ideia de regime de governo. Na conjuntura política atual, fala-se que o presidencialismo de coalizão está em xeque. Vale a pena ler estudar um pouco sobre as relações entre os poderes”.

No caso do Enem, a ampliação dos direitos das chamadas minorias ou ainda questões de diversidade têm sido temas recorrentes.

Tendências: