Enem e Vestibulares: tipos de argumentos para redação

Enem e Vestibulares: tipos de argumentos para redação

Oficina do Estudante

07 de outubro de 2021 | 11h05

Em geral, é possível utilizar argumentos de diferentes naturezas para fundamentar o ponto de vista escolhido pelo produtor do texto. A afirmação é da professora de Redação e coordenadora da Área de Linguagens do Colégio Oficina do Estudante de Campinas (SP), Fabiana Gomes de Camargo.

Explica, no entanto, que “os alunos sempre devem ter como objetivo convencer um leitor-modelo, cujo perfil já foi definido anteriormente”

LEIA : Entenda as questões interdisciplinares do Enem

Assim, considerando os tipos de argumentos mais adequados a esse público, podemos destacar:

– Argumentos de valor universal: consiste na expressão verbal de um raciocínio lógico, por meio da relação entre dados conhecidos, e, dessa forma, é possível chegar a uma conclusão.

– Dados colhidos da realidade: consiste na apresentação de informações de conhecimento geral, as quais fazem parte do repertório sociocultural que o autor e leitores compartilham. Aqui, incluem-se as ilustrações, os exemplos, os resultados de pesquisas e o conhecimento de diversas áreas de estudo (História, Geografia, Filosofia, Física…)

– Referências e citações: consiste nas relações intertextuais, nas quais apresenta-se o discurso produzido por outras pessoas que corroboram o ponto de vista defendido. Aqui incluem-se os argumentos de autoridade, os depoimentos e menções a personagens e obras da literatura em geral.

– Contra argumentação: consiste em apresentar argumentos contrários ao ponto de vista defendido, a fim de refutá-los e mostrar que estes não são válidos ou têm validade limitada.

Qual é o tipo mais utilizado e melhor recebido pela banca corretora?

Fabiana Gomes: Os tipos de argumentos citados são adequados por terem caráter relativamente universal, isto é, por terem maior probabilidade de serem aceitos por qualquer leitor. Existem outros tipos que devem ser evitados por serem muito pessoais ou específicos e só seriam aceitos em determinados contextos sociocomunicativos, como depoimentos pessoais ou argumentos de ordem religiosa. Não há um tipo específico que possa ser aceito como regra; o melhor tipo de argumento é aquele que fundamenta bem a tese proposta.

Em uma redação dissertativa-argumentativa, é indicado utilizar até quantos tipos de argumentos no desenvolvimento do texto?

Fabiana Gomes: Em uma redação dissertativa-argumentativa é indicado usar pelo menos dois tipos de argumentos, que cumpririam a parte do desenvolvimento do texto. Mas é possível extrapolar esse número, desde que a argumentação seja coerente com a tese inicial. Quando se pensa em uma redação de vestibular, por exemplo, o ideal é que sejam desenvolvidos até três argumentos, pois há um limite pré-determinado de linhas.

Qual é a melhor forma de definir qual será a sua estratégia de argumentação?

Fabiana Gomes: Para ser considerado bem fundamentado, um texto não deve somente apresentar argumentos pertinentes à comprovação da tese; é preciso desenvolvê-los. E isso se faz através de estratégias argumentativas que o autor se vale para desenvolver cada um deles. A estratégia adequada é aquela que melhor sustenta o ponto de vista defendido. Podemos considerar as seguintes estratégias nesse processo:

– Enumeração: consiste na apresentação sucessiva de várias informações ou elementos necessários à compreensão do texto ou ao argumento desenvolvido.

– Exemplificação: consiste na apresentação de exemplos, retirados da própria realidade ou que advindos de diferentes áreas do conhecimento.

– Definição: consiste em definir o assunto do texto ou conceitos que sejam essenciais a sua compreensão.

– Argumento de autoridade: consiste na reprodução de ideias ou informações apreendidas a partir de estudo de textos de outros autores.

– Relação de causa e consequência: funciona como justificativa para afirmações feitas ao longo do texto, evidenciando as relações existentes entre um fenômeno e fatos/teorias.

– Comparação: consiste na relação de aproximação entre fenômenos, fatos ou ideais, buscando estabelecer entre eles uma relação de semelhança ou de distinção.

– Pergunta retórica: consiste em um questionamento dirigido ao leitor, a fim de direcionar a argumentação à resposta pretendida pelo autor.

Quais cuidados o estudante deve ter ao escolher um tipo de argumentação e ao desenvolvê-la?

Fabiana Gomes: Uma das principais falhas na construção de uma redação dissertativo-argumentativa é a questão da não-diferenciação entre o tema e recorte temático. Essa confusão provoca o tangenciamento da discussão e atrapalha na formulação dos argumentos, uma vez que não se apresentam justificativas acerca de uma problemática, apenas explica-se sobre um assunto, na grande maioria das vezes, tornando o parágrafo expositivo. Assim, é fundamental que o aluno faça uma boa leitura da proposta e se atente ao recorte solicitado.

LEIA: UNIDADE PAINEIRAS: UMA ESCOLA DO FUTURO

LEIA: ESCOLA DE CAMPINAS SERÁ A PRIMEIRA NO BRASIL COM PARQUE TEMÁTICO DE DINOSSAUROS 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.