Enem 2021: Oficina do Estudante analisa a prova do 1º dia

Enem 2021: Oficina do Estudante analisa a prova do 1º dia

Oficina do Estudante

23 de novembro de 2021 | 15h21

Integrantes da equipe pedagógica do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante de Campinas (SP) analisaram a prova do 1º dia do Enem 2021 aplicada no último domingo (21).

Confira também o gabarito extraoficial da Oficina do Estudante! 

Avaliação geral
Por Daniel Cecílio, diretor pedagógico 

“A nossa banca considerou a prova como boa, bastante interpretativa e com questões, de modo geral, de nível médio. Num primeiro momento, não identificamos nenhuma questão polêmica. Porém, algumas delas exigiam do candidato maior atenção. A equipe de Redação achou o tema bastante interessante, de grande relevância e contextualizado com um problema social, que é a questão da invisibilidade social. Então, apesar das polêmicas recentes, o Enem continuou abordando temas com relevância social. O tema da redação não surpreendeu por manter essa linha de raciocínio. Examinamos como interessantes as provas de Espanhol e Inglês, com nível semelhante à da edição passada. Em ambas, foi cobrado mais interpretação do que gramática. Em Inglês, inclusive, com temas relevantes e atuais, mantendo o caráter da prova.”

Redação – Tema: “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”
Por Vanessa Bottasso, professora de Redação 

“Foi um tema muito interessante e pertinente. A escolha da banca foi feliz por escolher um tema social extremamente relevante. Para o candidato da prova, cabia, em primeiro lugar, entender o que é a invisibilidade social. Entender a invisibilidade social imposta como uma condição imposta àqueles sujeitos marginalizados. Então, corpos e identidades marginalizadas. Nesse sentido, o texto 1 ajudava estrategicamente o candidato a entender como problematizar a condição da invisibilidade na questão do registro civil. O texto 1 trazia narrativamente algumas situações que podiam ser entidades como barreiras enfrentadas pelos cidadãos invisíveis para a oficialização do seu primeiro registro civil da sua documentação pessoal. Então, o texto 1, pelo viés narrativo, permitia o candidato entender uma questão central, que foi suscitada no texto 2. O texto 2 diz que, não apenas pelo fato de não conseguir pagar pelo registro, mas também por outros motivos, muitos cidadãos brasileiros não conseguiram seus registros pessoais. E, o texto 1 auxiliava na compreensão do: “o que será que acontece?”. Dificuldade de acesso ao local. Então, o deslocamento geográfico, territorial. A desinformação, ou seja, a falta de conhecimento acerca dos processos de caráter oficial, no que diz respeito a como eles ocorrem. E, principalmente, a própria identidade pessoal. A própria subjetividade, em que é uma subjetividade em que o indivíduo se coloca como sendo secundário e irrelevante para esses registros de caráter oficial. Então, ele não considera isso importante para sua rotina e cotidiano, que ele oficialize qualquer um dos seus processos, seja ele o seu nascimento. Para pensar em soluções, os textos 3 e 4 ajudavam bastante, mostrando que o tema é bastante relevante para todas as regiões brasileiras. Principalmente, o 4, que colocava centralmente o trabalho da Defensoria e Ministério Público na captação dessas localidades, na identificação da necessidade do registro.”

                                             Foto: Gabriel Ribeiro / Oficina do Estudante

Ciências Humanas
Por Marcus Vinicius de Moraes, professor de História 

“A prova recuperou a tradição do Enem. Ou seja, abordou temas que contemplam uma sociedade plural. Questões sobre revoltas medievais, folclore camponês, indígenas, resistências escravas, África e identidades foram o ponto alto da prova. Além do uso de documentos escritos e imagens. Merece destaque a questão 82 (prova branca) sobre os tigres catadores de lixo. Analiso que a prova teve uma dificuldade mediana.”

Prova de Linguagens e Códigos
Por Jéssica Dorta, professora de Redação 

“A prova de linguagens está composta, sobretudo, por questões interpretativas que envolvem textos de gêneros discursivos diversos: conto, poema, reportagem, história em quadrinho, pintura, resenha etc. Os temas mais frequentes em provas anteriores se mantêm, como variação linguística e funções da linguagem. Para abordar esses conteúdos, textos sobre democracia racial no futebol (questão 24) e sobre a condição da mulher em meados do séc. XIX (questão 09) são apresentados. De modo geral, a prova apresenta dificuldade média.”

Prova de Geografia
Por Fábio Bacchiegga, professor de Geografia 

“A prova de Geografia apresentou muito mais textos do que imagens. Aguardávamos uma prova com uma pluralidade maior de recursos, como mapas, gráficos e tabelas. Porém, o Enem foi mais baseado em textos simples, que não traziam complexidade para o aluno. Mas, exigiam muita leitura. Os temas foram variados, com predominância da geografia econômica. Percebemos uma grande interdisciplinaridade com Sociologia, o que fez com que a prova fosse considerada como de nível médio e com características semelhantes a do Enem e outras distintas.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.