Carreira e metas de vida: Você já parou para pensar nisso?

Carreira e metas de vida: Você já parou para pensar nisso?

Oficina do Estudante

15 Abril 2016 | 10h15

Faaaaaaala pessoal, tudo certo? Como vocês estão?
Quando se é muito jovem – lá pelos seus 12, 13, 14 anos – a gente geralmente tem aquele pensamento de que o vestibular, a escolha da carreira estão distantes de nós e que não precisamos nos preocupar com isso naquele momento. De certa forma, é um pensamento correto. Eu particularmente acredito que nós não devemos pular etapas e aproveitar, como dizem, a dor e delícia de cada idade.

Isso não significa, no entanto, que você deva simplesmente ignorar ou fingir que não vai envelhecer e não vai se preocupar com essas questões. Muito embora em menor proporção, em uma versão mais adequada à cada faixa etária, é preciso sim começar a pensar naquilo que você quer fazer, no que gosta de fazer e onde quer chegar.

Não to falando aqui que aos 12 anos você já precisa saber que profissão vai seguir, em qual faculdade estudar, sua pós-graduação, com quem vai casar, qual vai ser a cor do seu terno, vestido, quantos filhos vai ter, quais serão os nomes…CALMA! Não é preciso fazer esse exercício de futurologia, que aliás, é impossível. Mas é legal você ir aos poucos filtrando aquilo que gosta, o que tem mais ou menos habilidade, etc…

f1

Foi exatamente sobre isso a palestra do projeto “Oficina Comportamento” que rolou ontem aqui no Colégio. A professora e psicóloga da ESAMC, Lucélia Vieira, conversou com os alunos do Ensino Fundamental II sobre perspectivas de vida, planejamento e carreiras.

f3

Além disso, ela abordou outros temas extremamente importantes para todos nós, como a ética em todos os aspectos das nossas vidas – pessoal, profissional, sentimental e até mesmo sexual – , o respeito e empatia ao próximo (o famoso “não faça para os outros o que não gostaria que fizessem para você) e a criação de uma lista para atingirmos as metas que estabelecemos.

f2

Nunca é cedo demais para começar a pensar nisso. Quanto antes começamos a nos questionar sobre esses temas, mais maturidade desenvolvemos para o nosso futuro. Na hora de decidir, não somos pegos de surpresa. As respostas vem fácil à cabeça e não se tornam um sofrimento.