Meio Ambiente: como estimular o debate em sala de aula – e fora dela

Meio Ambiente: como estimular o debate em sala de aula – e fora dela

Escola Morumbi

24 Junho 2016 | 10h42

13494836_504611679731508_2618190049650344418_n (1)

Crise de falta de água, aquecimento global, efeito estufa.

Vivemos num mundo repleto de problemas com o meio ambiente.

Muito se fala em sustentabilidade e conferências mundiais se dedicam a reunir grandes potências para debater maneiras de diminuir os problemas ambientais, garantindo um futuro melhor para as próximas gerações.

No entanto, para que tais medidas funcionem é preciso não somente mudar a postura dos governos, mas também dos cidadãos. E esta função cabe, em grande parte, à escola e aos educadores.

Falar sobre meio ambiente e sustentabilidade com os alunos é algo que a escola não pode deixar de fazer.

Mais do que isso, é preciso fazê-los perceber como suas atitudes podem impactar no futuro. É preciso que compreendam os fenômenos que ouvem falar todos os dias na TV.

Além disso, os assuntos devem ser tratados de maneira interdisciplinar pelos professores. Falar de meio ambiente não é algo restrito ao professor de geografia ou biologia, por exemplo.

O professor de literatura pode indicar leituras sobre o assunto, o de português pode pedir aos alunos para que elaborem uma redação – o que é importante também para que desenvolvam o senso crítico e a capacidade argumentativa – o de química pode utilizar os temas para ensinar conteúdos relacionados à disciplina, e assim por diante.

O importante é fazer projetos que unem diversas matérias ajuda os alunos a compreenderem temas relacionados ao meio ambiente de forma mais abrangente.

Em última instância, temos uma aprendizagem mais aplicada e a formação de cidadãos conscientes.

Além do conhecimento, projetos práticos também são muito bem-vindos.

Pedir aos alunos para que criem projetos que poderiam ajudar a reverter problemas ambientais, incentivar a reciclagem ou levá-los para fazer um trabalho de campo são medidas muito importantes para a formação de cidadãos engajados.

Itamara Barra, coordenadora do Ensino Fundamental I