Enfrentar a H1N1

Enfrentar a H1N1

Escola Morumbi

05 Abril 2016 | 10h52

Aproveitamos que nossas salas de aula são amplas e arejadas para deixar tudo aberto. O ideal é que os ambientes sejam ventilados, pois a maior circulação de ar dificulta a irradiação do vírus.

Aproveitamos que nossas salas de aula são amplas e arejadas para deixar tudo aberto. O ideal é que os ambientes sejam ventilados, pois a maior circulação de ar dificulta a irradiação do vírus.

          Após o surto de H1N1 em 2009, a doença voltou a assustar neste ano.

         A gripe se manifestou dois meses antes do previsto, pegando todo mundo de surpresa. As filas nos hospitais públicos e privados para o atendimento médico são imensas e os lugares que estão fornecendo a vacina encontram-se lotados. Foram registrados 260 casos de H1N1 e 38 mortes pela doença apenas no estado de São Paulo.

         Diante dessa preocupação com a H1N1, ou gripe suína, o ideal é a prevenção.

         A atenção deve ser redobrada nas escolas, onde a aglomeração de crianças e os ambientes fechados facilitam a propagação do vírus. Para combater a doença, a rotina no nosso colégio tem se voltado para o incentivo à higiene básica dos estudantes e para a orientação de alunos e pais.

          Cuidados básicos como lavar as mãos ou utilizar álcool em gel, assoar o nariz com lenços descartáveis e limpar as superfícies com álcool são essenciais na prevenção da gripe.

         Outra dica é espalhar placas com dicas de higiene, para incentivar os alunos a manterem esses hábitos sempre que possível. Em nossos boletins internos e nas redes sociais, procuramos informar sobre a doença e orientar sobre as diversas formas de prevenção e tratamento.

          Os ambientes fechados facilitam a propagação da doença. Então aproveitamos que nossas salas de aula são amplas e arejadas para deixar tudo aberto. O ideal é que os ambientes sejam ventilados, pois a maior circulação de ar dificulta a irradiação do vírus.

         O tema se tornou tão importante que invadiu as salas de aula.

          Nossos professores desenvolvem atividades a fim de desvendar os mistérios do vírus. Os alunos pesquisam sobre sua origem, suas formas de contágio, prevenção e tratamento da doença, entre outras informações importantes. Com isso, os estudantes ficam por dentro do que está acontecendo, além de entenderem a importância das medidas tomadas pela instituição.

Vacinação e tratamento

O surto de H1N1 adiantou a campanha de vacinação em todo o Brasil. Na Grande São Paulo, a vacinação começou nesta segunda-feira (4) para os profissionais da saúde. Gestantes, idosos, crianças de 6 meses a 5 anos serão atendidos a partir do dia 11, e mulheres que acabaram de ter bebês e pacientes com doenças crônicas, a partir do dia 18.

         As vacinas estão disponíveis nas versões trivalentes — contra três tipos de Influenza — e tetravalentes — contra quatro tipos. Elas estão disponíveis na rede pública gratuitamente, com preferência para os grupos de risco. A imunização deve ser feita todo ano.

Caso algum aluno apresente os sintomas da gripe, como febre alta, tosse, dor de garganta e dor no corpo, a orientação é que os colégios avisem os responsáveis imediatamente.

A criança deverá permanecer em casa, a fim de evitar a transmissão da doença aos colegas. O Ministério da Saúde recomenda que ela fique em casa por pelo menos 24h após o desaparecimento da febre.

O tratamento da doença deve incluir repouso, ingestão de líquidos e uso de antiviral específico para o Influenza, prescrito pelo médico.

Mais conteúdo sobre:

GripeH1N1PrevençãoSaude