Tá bom, mundo, toma aí: elucubrações e dicas sobre Linkedin
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tá bom, mundo, toma aí: elucubrações e dicas sobre Linkedin

Paula Braga

17 Dezembro 2018 | 15h38

Eu adoro interpretar os acontecimentos ao meu redor, pensando: “o que o universo está querendo me dizer com isso?” ,“pelo que o mundo está clamando neste momento?”. Sim, um pouco esotérica, eu sei.

Maaaas, independentemente de você ter fé no além ou não, acredito que se beneficiará do meu último insight tirado do universo: o mundo está clamando por uma divagação minha sobre o linkedin. Sim, é isso mesmo. O mundo pediu (vulgo, me pediram para eu dar um workshop sobre o assunto e uns clientes queridos apareceram com umas aberrações de linkedin), e eu vou atender. De nada.

Vamos lá…linkedin. O facebook das carreiras. O networking professional em forma de site. O mural de vagas interativo.

Se você é profissionalmente ativo e não está lá, com o perfil bem feitinho, meu querido, você está perdendo uma bela oportunidade. Há exatos 6 anos atrás, quando estava numa sala de aula em Kellogg, lembro-me do professor perguntado: “Alguém aqui não está no linkedin?”, uma pessoa levantou a mão. Todos os olhos se voltaram a ela. Tratava-se de um judeu ortodoxo, com cachinhos e tudo mais. Porém, na próxima aula, até ele deu seu braço a torcer: criou seu perfil. Moral da história: não seja aquela pessoa que se destaca por não ter seu perfil feito na maior rede profissional do mundo.

Nota da autora: Eu não ganho nada do Linkedin para dizer isso. Adoraria. Mas não ganho.

Então, vamos lá. Te convenci a criar um perfil. Mas fazer um de qualquer jeito vale? Já sabe a resposta né? Claro que não. O linkedin é uma grande vitrine profissional. Passar uma má imagem é pior do que não passar imagem nenhuma. Então, já que vamos fazer um perfil, vamos fazer direito. “Mas, Paula, por que eu deveria me dar ao trabalho de fazer esse perfil?”, você pode estar se perguntando. Eu te respondo: por 3 motivos. Um bom perfil gera:

– Publicidade gratuita;
– Credibilidade profissional;
– Negócios.

Então o que fazer para colher esses benefícios? Acompanhe o passo a passo para você dar um up no seu perfil.

1. Comecemos com feijão com arroz

Ter uma boa foto (atual e profissional), listar todas as experiências de trabalho e acadêmicas → esse é o MVP (mínimo produto viável).

2. Ter um sumário vendedor

Essa é a primeira impressão, é seu pitch. Ainda que a maneira que você escolhe se apresentar é muito pessoal, há alguns elementos que podem tornar seu sumário mais fortes:

Paixão e propósito
O perfil da Sofia Esteves, presidente do Conselho da Cia de Talentos, é um bom exemplo disso:

Sofia Esteves
Presidente do Conselho no Grupo Cia de Talentos
Comentarista de Carreira GloboNews

Pich:
“Sou uma apaixonada pelo Brasil, por pessoas e boas causas. Sei que não consigo mudar o mundo, mas tenho certeza que com minhas atitudes e ações posso mudar o meu entorno. Acreditar é o primeiro passo para conseguir. Eu tenho feito isso e você?”

Carteirada
Tem uma expressão em inglês que diz: “if you got it, flaunt it”. A tradução disso é algo como “se você tem o que mostrar, então mostre”. Exemplo de um sumário-carteirada: Ricardo Amorim.

Ricardo Amorim
#1 LinkedIn Influencer in Brazil, Brazil’s most influential economist (Forbes), serial entrepreneur, TV host, speaker.

Pich:
“- Only Brazilian ranked amongst Speakers Corner’s most prestigious global keynote speakers,
– Brazil’s most influential economist according to Forbes magazine and Klout.com,
– One of the hosts of Manhattan Connection, Brazil’s most prestigious political talk show, with his ideas being frequently quoted by major television outlets, business newspapers and magazines worldwide,
– Fluent in English, Spanish, Portuguese and French,
– Co-founder of AAA Innovation Platform,
– CEO of Ricam Consultoria.”

Detalhe: o fato do perfil dele estar em inglês já demonstra que o público alvo dele são gringos ou, no mínimo, English speakers. Bem diferente da abordagem “apaixonada pelo Brasil” da Sofia.

Biografia
Eu particularmente acho esse estilo mais chato, mas tem a vantagem de dar uma visão geral carreira. É o que eu uso atualmente, mas estou planejando uma mudança para alternativas A ou B. Obs.: Meu perfil é inglês pois, como tenho clientes internacionais e ajudo clientes no processo de preparação para MBAs internacionais, quero demonstrar minha proficiência com a língua. Ou seja, é interessante pensar em que língua faz sentido ter seu perfil.

Paula Braga
Coach Executiva e de Carreira / Assessora Acadêmica (MBA e mestrados).

Pich:
“Executive and career coach, internationally certified by ICF (PCC). With +2300 hours of experience and having helped hundreds of clients, Paula is certified as an executive coach by Marshall Goldsmith. She is also certified in ontological coaching, integral coaching, MBTI, group facilitation and 360 assessment. She works with individual and corporate clients, in-person or through skype. Paula coaches in English, Portuguese and Spanish. Her background includes over 10 years of experience in Sales and Trade Marketing at Procter & Gamble. She is also a columnist at Estadão, with her blog https://educacao.estadao.com.br/blogs/mba-de-a-a-z/”

3. Escrever, escrever, escrever

Você não tem um blog no Estadão? Não é colaboradora da Globonews? Não tema! Com o linkedin, você não precisa ter contrato com qualquer veículo de comunicação para passar a imagem de expertise. Basta você escrever na plataforma deles. Trazendo conteúdo de qualidade, com consistência, você fortalece sua marca pessoal.

Não sabe como fazer a publicação? O próprio site te dá a resposta: Publicar artigos no LinkedIn.

4. Testemunhos e skills

Na era das mídias sociais, nenhuma propaganda é tão poderosa quanto o aval (vulgo, os “likes”) do seus amigos. Receber testemunhos de clientes/chefes/colegas é, portanto, sua melhor ferramenta de vendas. Se você não recebeu nenhum testemunho espontaneamente, que tal ativamente pedir esse favor para as pessoas que trabalham com você? Em troca, você pode oferecer fazer um testemunho para eles. É o famoso ganha-ganha.

Além disso, você pode pedir para suas conexões recomendarem suas competências. Isso é especialmente importante se você está realizando uma mudança de carreira. Por exemplo, um ex cliente era Diretor de TI resolveu que queria trabalhar como coach. O problema é que se você olhasse o perfil dele do linkedin, as principais competências destacadas eram SAP, ERP, etc. Para mudar de imagem, nós criamos um plano para ele pedir recomendações em competências focadas como coaching, coaching executivo, etc.

Tem muito mais coisas que você pode fazer para melhorar seu perfil mas se, para começar, você escolher um ou dois itens da lista acima para atacar, já vai ver um ótimo resultado!

Por fim, se você entendeu as dicas, mas ainda assim não se sente capaz de/não quer dedicar o tempo para melhorar seu perfil, não precisa desistir de ter um perfil legal. Tem um monte de pessoas e empresas que ajudam com isso. Trata-se de um investimento pequeno para sua carreira.

Dúvidas, perguntas, elogios? Sou toda ouvidos: paula@paulabraga.com.br