MBTI, seu lindo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

MBTI, seu lindo

Paula Braga

30 de abril de 2019 | 10h23

Olá, velho amigo!

Quanto tempo!

Sabe aquele amigo de infância que você sempre amou (e continua amando) mas, que por um motivo ou outro, vocês acabaram perdendo contato?

Então, o MBTI foi isso para mim.  Para quem não sabe, o MBTI (Myers Briggs Type Indicator) é o principal teste de personalidade usado no mundo. Criado por Isabel Myers e Katharine Briggs com base na teoria de Carl Jung, o teste classifica 16 tipos de personalidade.  Na verdade, o “teste” não gosta de ser chamado de teste.  Isso porque, quando pensamos em “teste”, pensamos em que há uma resposta certa e outra errada.  E nesse caso, não há. Não tem como você ir “mal na prova”.

 

Trata-se então, mais precisamente, de um instrumento de identificação de personalidade.

O MBTI já foi usado por mais de 20  milhões de pessoas em 16 países e tem como objetivos:
– Melhorar o auto-conhecimento

– Melhorar seus relacionamentos inter-pessoais

– Criar equipes mais participativas e mais eficientes

– Entender como as pessoas são diferentes, aumentando empatia e reduzindo julgamento

 

O MBTI avalia a preferencia das pessoas relativa a 4 aspectos:

– De onde recebe energia (atitude)- Introversão x Extroversão

– Qual tipo de informação privilegia (função mental) – Sensação x Intuição

– Qual critério para processar essas informações –(função mental) Pensamento x Sentimento

– Como se orienta em relação ao mundo (atitude) – Julgamento x Percepção

 

Como resultado, você sai com uma combinação de 4 letras que representam o seu tipo.

Os nomes dos tipos não são tão explicativos do que realmente cada um quer dizer. Para entender o que “seu tipo” significa e como usar essa informação a seu favor, é necessário contratar um profissional certificado(*). Mas, em suma, você passa a entender suas preferencias naturais e também passa a identificar as preferencias naturais das outras pessoas.  Isso é muito legal pois “normaliza” comportamentos. Por exemplo….

– Aquele colega de trabalho que sempre te interrompe e gosta de ficar batendo papo não é necessariamente “um chato inconveniente”. Ele pode ter simplesmente uma preferencia por “extroversão”

– Aquela chefe que muda de ideia em cima da hora pode não ser uma louca., mas sim ter uma preferencia pela “percepção”, ou seja, por deixar os termos flexíveis para visar a melhor alternativa possível.

– E por aí vai.

 

A ideia do MBTI não é rotular ninguém (ah, ele “viaja” porque é “N”) nem muito menos servir de desculpa para não se adequar (tipo, “não vou para festa da empresa porque sou “I”).  Muito pelo contrario.  Ao entender como você e como outras pessoas funcionam, você passa a ter o poder de escolher sair do seu automático e treinar um tipo de comportamento que ajudará você a melhor se comunicar, fazer gestão de conflito, trabalhar em equipe, etc.,

E apesar de não medir habilidade (ele mede preferencia natural, como já dito),  o MBTI pode ser também útil naqueles processos de entrevistas de emprego ou MBA, onde o entrevistador questiona coisas como:

– Qual seu estilo de liderança?

– Qual seu ponto forte? Qual seu ponto fraco?

– Como você faz para trabalhar em equipes com pessoas de perfis diferentes do seu?

Saber responder a essas perguntas e, mais ainda, saber agir sobre esse autoconhecimento é um uma poderosa ferramenta, tanto na vida profissional, como na pessoal.  Eu mesma já apliquei MBTI em todas pessoas da minha família (pais e marido, inclusos).  Mas, por algum motivo, vinha esquecido dela na minha prática de coaching.  Mas não mais.  Obrigada, Sandrinha Pereira por me lembrar desse velho amigo.  De agora em diante, não perderemos contato novamente J

(*) No Brasil, a consultoria Fellipelli tem os direitos da venda do teste desde 1996, porém o teste só pode ser adquirido por profissionais certificados.

 

Quer saber mais?

Entre em contato por paula@paulabraga.com.br

Tendências: