As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

I – Integrated Reasoning do GMAT

Claudia Gonçalves

27 de fevereiro de 2013 | 20h10

O GMAC, orgão responsável pelo GMAT, prova que faz parte do processo seletivo da maioria dos MBAs internacionais, recentemente fez uma primeira avaliação sobre a nova seção da prova, que se chama integrated reasoning. A pesquisa foi feita a partir dos testes de 110 mil candidatos que fizeram o GMAT e cujas pontuações ficaram entre 600-640 pontos (considerando a distribuição na curva normal, as pessoas no percentil 50).

A ideia desta nova seção era de medir a capacidade de sintetizar e usar informações de diversas fontes como gráficos, textos e tabelas e esta seção de Integrated Reasoning (Raciocínio Integrado) se mostrou bem calibrada. Quando os scores nesta seção ( de 1 a 8) são colocados na curva de sino, 50% dos scores ficam entre 4 e 6.  Esta nova seção mede coisas distintas das que a parte verbal e a quantitativa do GMAT medem, mas complementa o perfil dos candidatos. Embora este ano as escolas ainda tenham adotado a postura de esperar para ver como é o comportamento dos candidatos nesta nova seção, em breve se sentirão confortáveis em usar a pontuação desta parte como critério de seleção dos candidatos.

O GMAT ficou melhor para medir as habilidades que o mercado de trabalho busca nos profissionais e que as escolas também esperam conseguir ver em seus candidatos. Além do GMAT, os processos de aplicação estão mudando bastante nos últimos 3 a 4 anos, desde os tipos de textos que os candidatos devem escrever até formatos inovadores nas entrevistas, conforme já descrevi em postagens anteriores.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: