É possível se manter próximo estando fisicamente distantes? Sobre os desafios de liderar times remotos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É possível se manter próximo estando fisicamente distantes? Sobre os desafios de liderar times remotos

Paula Braga

03 de julho de 2019 | 11h00

Todos mundo sabe que construir relacionamentos fortes com as pessoas que trabalhamos é muito importante.

De fato, o Instituto Gallup mostra que colaboradores que tem um melhor amigo no trabalho são sete vezes mais prováveis de serem engajados em seu trabalho, são melhores em engajar clientes, produzem trabalho de mais alta qualidade, tem maior bem-estar e menos chance de se machucar no trabalho.  De maneira curta, relacionamentos fortes no trabalho geram resultados.

No caso de uma relação entre chefe e subordinado não é necessário que essa relação seja de “melhor” amizade.  Mas é sim necessário que o colaborador sinta em relação ao líder uma serie de características análogas às da amizade:

  • ele precisa ter confiança em seu líder
  • ele precisa sentir que seu líder se preocupa com ele em um nível individual
  • ele precisa sentir que tem acesso a essa pessoa

Essas diretrizes não são nada de outro mundo. Porém, quando se trata de times remotos, essa conexão pode se tornar um desafio. Ainda mais quando existem diferenças culturais, de línguas e de fuso horário.  Nesses casos,  atitudes simples como o famoso papo durante o cafezinho ou aquele almoço de time ficam inviabilizados….e, com isso, dificulta-se a conexão em um nível mais pessoal.

No episódio 10 do podcast “Radical Candor”, Kim Scott e Russ Laraway (ambos ex-executivos do Google, hiper-acostumados a trabalhar com times remotos) compartilham algumas dicas sobre como lidar com o desafio de construção de equipes sólidas dentro desse contexto.

Seguem elas:

  • Faça manutenção diária dos relacionamentos, para evitar a necessidade de grandes intervenções. Ou nas palavras de Russ “se você não passar fio dental e escovar os dentes todos os dias, terá que fazer um tratamento de canal” .

Portanto, crie momentos curtos e frequentes (idealmente diários) para se conectar com seu time. Pode ser uma ligação de 2-3 minutos onde você simplesmente pergunta como a pessoa está.  Isso é importante, pois ajuda a você começar a desenvolver sua intuição sobre pessoa.  Conversando com uma pessoa diariamente, você passa a perceber se ela está irritada..preocupada….frustrada.  E daí você pode questionar o por quê disso.  Se você mantiver apenas aquela comunicação formal sobre update de projetos semanal, dificilmente desenvolverá essa sensibilidade mais aguçada.

Portanto, se for chefe, marque esse check-in diário com seus funcionários. E, se você for um funcionário, peça por isso para seu chefe.

  • A segunda dica é, sempre que possível, esteja fisicamente presente. Se você não pode/não quer viajar,  que tal trazer seus funcionários até você?  Enquanto para alguns executivos viajar é algo desgastante, para algumas pessoas de sua equipe pode ser um privilegio e algo empolgante.

E, caso o encontro pessoalmente não seja possível, use o artificio da videoconferencia.  De acordo com Albert Mehrabian, pioneiro em pesquisas sobre linguagem corporal, as palavras ditas representam somente 7% da mensagem na comunicação interpessoal.  Outros fatores (como entonação, gestos, expressões faciais e corporais) compõem o restante desse total.  Portanto, no caso de você não conseguir se encontrar fisicamente com seu time, privilegie um dos vários aplicativos (Skype, zoom, google hangout, etc) que permitem que você note as emoções de seu interlocutor.  E, se videoconferência não for possível, telefone. O email/mensagem de texto é a última alternativa de comunicação caso o objetivo seja construção de relacionamento.

  • Por fim, a última dica é – se tiver escolher entre dar um feedback pessoalmente ou dar um feedback imediatamente – escolha imediatamente. O propósito de um elogio é motivar que a pessoa continue fazendo/faça mais algo.  O propósito de uma crítica é motivar a pessoa a fazer algo diferentemente/melhor.  Se você atrasa o feedback, você atrasa seu beneficio.

Um time remoto é igual a qualquer time só que alguns desafios a mais.  A diferença de horário, cultura e língua são sim obstáculos.  Mas, no fundo, independente de nossa localização geográfica, nós somos muito mais parecidos do que diferentes.  Então se conectar com sua equipe de maneira a entender melhor o que está passando em suas cabeças (suas preocupações, suas dificuldades, suas alegrias) é no fim a principal ação para fortalecer seu time.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: