Carreira Internacional: A volta ao Brasil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Carreira Internacional: A volta ao Brasil

Claudia Gonçalves

23 Abril 2014 | 12h30

Para muitos brasileiros, um dos grandes atrativos de se fazer um MBA é o de poder ter uma experiência de trabalho nos Estados Unidos ou Europa logo após pegar o diploma.  De fato, o MBA abre muitas possibilidades. Ter um diploma de uma escola reconhecida globalmente ajuda muito, os aprendizados também capacitam os MBAs a trabalharem fora de suas culturas.

Dificilmente nesse momento se pensa no depois. Como administrar a carreira 5 ou 10 anos para frente? Antes de aceitar uma oportunidade internacional, é necessário refletir sobre alguns aspectos importantes que exigirão atenção ao longo dessa experiência.

1 – Tente refletir sobre a duração dessa experiência internacional:

a)      Experiência de 1 a 2 anos pós-MBA: neste caso, vale a pena manter um contato bem próximo de seu network no Brasil, especialmente se precisar buscar uma oportunidade profissional nova por aqui. Tenha em conta que pode demorar de 3 a 6 meses para se recolocar. Além disso, procurar emprego à distância não produz tantos resultados positivos. Estar aqui e ter a facilidade de poder marcar entrevista presencial rapidamente. No caso de voltar ao Brasil trabalhando para o mesmo empregador, o desafio pode ser negociar os termos da mudança. O salário e/ou cargo podem ser menores aqui e a negociação da mudança internacional pode ser complicada, pois não seria um caso de expatriação.

b)      Experiência de mais de 5 anos pós-MBA: depois de muitos anos fora do Brasil, o contato com o network local está mais enfraquecido.  A melhor estratégia aqui é voltar trabalhando na empresa em que já está. Voltar sem emprego e com poucos contatos profissionais pode ser angustiante. Caso isto aconteça, precisa desenhar uma boa estratégia para se reinserir no mercado. Tome um tempo para reativar seus contatos, buscando fazer entrevistas informativas. Entenda o momento que o mercado está, o tipo de desafios que as empresas de seu setor-alvo estão enfrentando, cargos e salários. Só depois disso é que pode passar para a fase 2, retomar esses e outros contatos mais preparado para dizer o que está buscando, por que acha que é a pessoa certa para a posição e como a sua experiência pode agregar para a empresa. Aqui pode-se demorar até 1 ano para se reposicionar, pois além de ter ficado fora um bom tempo, provavelmente seu cargo e compensação são mais altos também.

É muito importante entender cada cenário para tomar decisões e fazer o que for necessário para garantir um retorno mais tranquilo.

2 – Pense no tipo de empresa em que vai trabalhar:

a)      Empresas multinacionais: a depender da política de cargos e mobilidade da empresa, a negociação de se voltar para o Brasil ou ir para outro país faz parte da cultura e é facilitada. Caso a cultura da empresa não estimule mudanças, melhor pensar se ficar fora do Brasil é uma opção de longo prazo ou não.

b)      Empresas locais: butiques de investimentos, startups ou mesmo grandes empresas com presença local podem trazer ótimas experiências, mas neste caso procure negociar bem o que vai fazer para que esta seja uma experiência relevante e valorizada quando da volta ao Brasil.

3 – Visto de trabalho:

O empregador é que detém o visto de trabalho para o funcionário. Isso cria uma situação desequilibrada durante negociações, pois a empresa tem um poder de barganha maior.

 

Ter uma experiência de trabalho internacional após o MBA vale muito a pena desde que se tenha uma boa estratégia tanto para otimizar a experiência em si quanto para gerenciar o momento de volta.