Dez dicas para fazer uma boa prova e reter informações no cérebro

Mateus Prado

09 Junho 2014 | 14h47

Professor de biologia e celebridade na internet elabora regras para melhorar a vida de estudantes

A principal revelação dos últimos anos entre os professores que criam e postam aulas e dicas de estudo na internet é o professor Paulo Jubilut. Ele é uma espécie de Messi ou de Cristiano Ronaldo das tele aulas no Brasil. Seus vídeos sobre Biologia, que estão sempre na casa de milhares de visualizações, trazem para a rede a linguagem das aulas de cursinhos e destacam os principais conteúdos cobrados nos vestibulares e no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Quando chama um “aulão” ao vivo gratuito (as famosas hangouts, que têm se popularizado como forma de aulas ao vivo para alunos de todo o Brasil), chega a ter mais de 50 mil pessoas acompanhando e tirando dúvidas. No Facebook, ele já tem cerca de 800 mil seguidores, e é um dos poucos brasileiros que ganhou o selo de autenticidade da rede social, desejado por 9 em cada 10 famosos do Brasil.

Apesar de ter sido professor de cursinho, e de ter muitos alunos que estão estudando para o ENEM e para os vestibulares que ainda restam no país, grande parte do sucesso de Jubilut está relacionado àquelas pessoas que ainda estão no ensino médio ou nos primeiros anos de faculdades da área de Ciências Biológicas. Essas pessoas encontram o professor na Internet geralmente um pouco antes das provas, em vários casos até na madrugada anterior, e, desesperados, recorrem à celebridade para se dar bem, mesmo tendo deixado tudo para última hora.

Conheci Jubilut quando sua carreira na Internet estava decolando, e me divirto muito quando jovens, geralmente meninas, de 16 ou 17 anos, param ele no aeroporto para pedir que os pais tirem uma foto com ele, ou para fazer uma fotografia selfie.

Em palestras, ou aulões, que participei com ele pelo Brasil, é comum aparecer mais de 1.000 pessoas, mesmo quando a entrada não é gratuita. No ano passado, no lançamento de um livro meu na Bienal do Rio de Janeiro, o Jubilut fez questão de me acompanhar. Com o trânsito, chegamos uma hora e meia atrasados no estande da Editora do Cursinho Henfil. O lançamento era de um livro meu, mas mais de 500 pessoas esperavam, muitas acompanhadas pelos pais, para tirar uma foto com ele. Eu fico sinceramente muito feliz que um profissional de educação, que não está em nenhuma das grandes redes de televisão do Brasil, tenha cativado tanto os alunos brasileiros. Arrisco a falar que muita gente encontrou prazer em estudar vendo os vídeos do Jubilut, que hoje é, certamente, a maior sala de aula do Brasil e uma das maiores do mundo.

A convite deste blog, o professor Jubilut preparou 10 dicas para quem quer romper com os estudos de última hora e ter uma vida mais tranquila e com retorno – em conhecimento e em resultados – muito superior à média dos demais estudantes. Estas dez dicas, muito bem selecionadas, servem para alunos de faculdades, de cursinhos, do ensino médio, de concursos públicos, para pesquisadores e todos que estão interessados em conhecer cada vez melhor o mundo que vivemos.

Um dos motivos de nosso convite para Jubilut vem do fato de que, além de ter virado celebridade entre os estudantes na internet, ele atua fora do eixo Rio-São Paulo, onde estão concentrados os grandes meios de comunicação. O professor mora em Florianópolis, capital de Santa Catarina, mas é um cidadão do Brasil.

 

Como tirar 10 na prova
Por Paulo Jubilut

No meu dia a dia como professor de Biologia, venho percebendo que a maioria dos alunos retém pouco conhecimento de tudo aquilo que é passado durante as aulas e cobrado nas tão temidas avaliações. Isso acaba gerando, tanto em mim como nos estudantes, um sentimento de frustração e de tempo perdido. Parece que os anos de estudo se resumem basicamente em assistir às aulas, estudar (nem sempre), fazer a prova e esquecer tudo.

Por esta razão, resolvi criar uma série de dez regrinhas que, se forem seguidas durante a sua vida estudantil, certamente lhe ajudarão, não apenas a tirar notas máximas nas provas, mas também a reter o máximo de informações dentro do seu cérebro. Isso lhe dará a sensação de dever cumprido, orgulho por suas notas conquistadas, além de permitir a disponibilidade das informações aprendidas em qualquer momento futuro da vida.

Está curioso? Então, vamos as nossas dez dicas para tirar dez nas provas e lembrar-se de quase tudo para o resto da vida.

Dica 1: Aula dada é aula estudada.
Adquira o hábito de estudar o conteúdo trabalhado em sala no mesmo dia. É o momento em que a matéria está mais fresca na memória de curto prazo e poderá ser passada para a memória de longo prazo com mais facilidade. Opte pela resolução de exercícios referentes aos assuntos comentados na aula. Não precisam ser muitos, ajuste a quantidade ao seu tempo disponível. O aprendizado só ocorre quando você exercita o cérebro com a informação recentemente adquirida. Tenha em mente que aula não serve pra você aprender um assunto e sim pra você entendê-lo. Somente exercitando é que você aprende.

Dica 2: Jamais falte à aula.
Só se você estiver muito doente. Mesmo assim, se der pra levar o soro na mão, não hesite e vá à aula. Assistindo à aula, economiza-se um tempo de estudo precioso na época das provas, pois já existe a familiarização com o assunto. Além disso, assistindo às aulas é possível ter uma real noção dos tópicos mais trabalhados pelo professor e que poderão ser cobrados nas avaliações.

Dica 3: Sempre faça anotações durante as aulas.
Seja um aluno ativo em sala. Ao fazer anotações, o cérebro retém muito mais informação do tópico que está sendo abordado. Não anote apenas o que o professor passa no quadro. Crie seus próprios resumos, tente explicar com suas palavras o que você entendeu. Pergunte-se sempre qual a mensagem central daquilo que o professor está falando. Coloque seus pensamentos na folha, desenvolva o seu senso crítico durante a aula. Ação!

Dica 4: Converse com o seu professor.
Nem sempre o tempo de aula permite ao professor passar tudo o que sabe. Uma conversa informal após a aula pode trazer muitas informações interessantes e úteis. Tire todas as suas dúvidas, por mais banais que pareçam. Seja o que eu chamo de aluno “chato”. Aquele que persegue o professor pelos corredores e suga deste até a última gota de conhecimento. A experiência me mostrou que quanto mais “carrapato” é um aluno, mais sucesso ele tem nas provas.

Dica 5: Não converse durante a aula.
Uma conversa, por mais rápida que seja, pode fazer com que você perca uma informação crucial para o seu exame. Fique focado no professor o tempo todo.

Dica 6: Estude pouco, mas estude todo dia.
Adquira o hábito de estudar todos os dias. É mais válido fazer baterias de duas a três horas, do que estudar por 12 horas um dia antes da prova. Se você não possui este hábito (estudar todos os dias), comece devagar. Comece com trinta minutos diários e vá aumentando o tempo gradativamente. Tenha em mente que véspera de prova é apenas para revisão do que você já estudou. Faça isso e fuja da ansiedade e do nervosismo, fatores que geram o famoso “branco”.

Dica 7: Procure locais que tenham clima de estudo. 
Muitas vezes, fica impossível se concentrar com um irmão chorando ao seu lado ou com sua mãe pedindo pra comprar pão. Por isso, procure locais que permitam a você o máximo grau de concentração. Longe de tudo. Nesse quesito, as bibliotecas são excelentes. Vá sozinho. O estudo rende muito mais. Minha vivência mostra que a maioria dos estudantes que marca para estudar em grupo, bate muito papo e estuda pouco.

Dica 8: Nunca madrugue estudando.
Madrugar estudando para uma prova é a pior coisa que você pode fazer. É fracasso garantido. Esse tipo de estratégia sobrecarrega com muita informação a área de memória curta do cérebro. A probabilidade de você esquecer algo é muito alta. Sem contar que no final da madrugada, você será tomado pelo “sono mortal das profundezas”. Sabem do que estou falando, né? Aquele sono que te suga a alma. Aí, já era, não dá mais tempo pra dormir (se a prova for pela manhã), e o estudo não rende mais.
Ir para uma prova com sono, cheio de cafeína e com uma quantidade absurda de informação no cérebro é implorar por uma nota baixa. Alguns alunos até obtém êxito com essa estratégia (muitas vezes pelo fato de terem maior capacidade de retenção de memória de curto prazo), mas, logo após a prova, esquecem quase tudo o que estudaram.

Dica 9: Alimente-se bem antes da prova.
Nada de ir em jejum para um exame. Seu cérebro precisa de energia e de nutrientes de alta qualidade. Esqueça os famosos salgadinhos de isopor, opte por alimentos integrais como pães e arroz, além de abusar dos sucos de frutas vermelhas, como o morango. Os alimentos integrais liberam energia de forma lenta, ideal para provas de longa duração. Já as frutas vermelhas contém zinco, nutriente fundamental para o ótimo funcionamento da memória. 

Dica 10: Faça a prova com “sangue no olho”.
Nada de preguiça durante a prova! Coloque vontade, ajeite sua postura e destrua a danada. Utilize todo o tempo que tiver. Respondeu tudo e sobrou tempo? Maravilha! Revise a prova e passe as respostas para o gabarito com carinho pra não errar. Fique com a prova até chamarem a policia militar! Nessa hora, seja esperto e entregue-a para o fiscal.


Paulo Jubilut é professor, biólogo e mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental. Criador do Projeto Biologia Total que visa oferecer, através de videoaulas, ensino de biologia para todos os estudantes que tenham acesso à internet.

Mateus Prado