Glória promove projeto para discutir sobre a participação de mulheres na Ciência

Glória promove projeto para discutir sobre a participação de mulheres na Ciência

Colégio Marista Glória

28 de outubro de 2021 | 10h08

Alunos do Colégio Marista Glória debatem que embora a presença das mulheres esteja aumentando, a desigualdade ainda existe

Por meio da disciplina Conexão XXI, que faz parte do currículo dos estudantes do Ensino Fundamental – Anos Finais, cujo objetivo é desenvolver as competências e habilidades do século XXI, necessárias para a formação acadêmica dos jovens, a professora Lhoyane de Moraes Oliveira e Oliveira Figueiredo, do Colégio Marista Glória, está desenvolvendo um projeto sobre a importância das meninas e mulheres na Ciência.

É comum na sociedade que as meninas cresçam presenteadas por bonecas, panelinhas e vestidos, enquanto aos meninos são ofertados jogos, máquinas e tecnologias. Esse tipo de tradição patriarcal se perpetua também no mercado de trabalho e nas escolhas pelo Ensino Superior, no qual os cursos de Exatas acabam sendo mais ocupados por homens.

Com isso, a docente promoveu uma sensibilização na turma, propondo que eles conversassem entre si sobre o tema, de modo a formar uma opinião inicial sobre a questão.  “Solicitei também que entrevistassem colaboradores do colégio com a pergunta: ‘Qual é a sua opinião sobre a presença mulheres na ciência?’, visando que os alunos compreendam qual é a visão das pessoas próximas”, explica Lhoyane.

Na sequência, a professora pediu que os jovens dividissem com a sala as opiniões ouvidas e elaborassem um texto base/roteiro capaz de responder as seguintes questões: “Qual a importância das mulheres nas áreas das Ciências, Engenharias e Matemática?”, “E a sociedade? O que sabe sobre isso?”, “O que nós podemos fazer para mudar?”. Os alunos irão gravar vídeos com essas respostas.

Estudo e cenário

Um relatório da Elsevier – uma empresa global de informações analíticas que contribui com instituições e profissionais para o progresso da assistência à saúde e da Ciência – intitulado “A jornada do pesquisador através de lentes de gênero” examinou a participação em pesquisas, progressão na carreira e percepções em 26 áreas temáticas de toda a União Europeia e em 15 países, incluindo o Brasil.

De acordo com o levantamento, embora a participação das mulheres na pesquisa esteja aumentando em geral, a desigualdade permanece. Por exemplo, em todos os países, a porcentagem de mulheres que publicam internacionalmente é menor do que a de homens. Também trabalhos de autoria de mulheres são citados com menos frequência do que de homens.

“As escolas continuam tendo a missão de assegurar a aprendizagem dos alunos nos componentes curriculares tradicionais, mas também devem ampliar a capacidade de lidar com pensamento crítico, criatividade, sensibilidade cultural, diversidade, comunicação, emoções, empatia, colaboração, entre outros aspectos importantes para a vida neste século. Por isso, entendemos a importância de uma discussão como essa”, frisa a professora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.