Como escolher atividades extracurriculares para seu filho?

Como escolher atividades extracurriculares para seu filho?

Colégio Marista Glória

15 de agosto de 2019 | 17h16

Habilidades e interesses devem ser considerados na hora de fazer essa avaliação

Diante de tantas opções, muitas vezes os pais não sabem o que considerar na hora de escolher uma atividade extracurricular para o filho. Uma dica para dar o primeiro passo é oferecer a possibilidade de o jovem vivenciar na prática algumas atividades artísticas, culturais e esportivas para então sentir com qual delas tem mais afinidade. Assim, aumentam as chances de se envolver verdadeiramente com a modalidade escolhida.

Por meio de cursos, aulas e oficinas, as atividades extracurriculares oferecem aos seus estudantes inúmeros benefícios que contribuem significativamente para a formação integral. A coordenadora do Núcleo de Atividades Complementares (NAC) do Colégio Marista Glória, em São Paulo, Rafaela Oliveira, diz que o propósito dessas modalidades é ampliar a formação dos alunos por meio de práticas interdisciplinares. “O objetivo é complementar o aprendizado, ampliando a vivência acadêmica, educando cidadãos com autonomia e senso crítico, capazes de dialogar com diferentes realidades”, afirma.

Quando um colégio oferece essas ações extras, está influenciando a formação das próximas gerações. Assim o protagonismo juvenil passa a ser desenvolvido desde a Educação Infantil e Ensino Fundamental, cultivando valores importantes como comprometimento, responsabilidade e disciplina. No caso dos campeonatos do Ensino Médio, além do intercâmbio de experiências com outras instituições, os jovens aprendem a lidar com a competitividade, que é trabalhada com o ideal de superação de desafios.

O aprendizado que vai além do currículo básico oferece a chance de treinar outros tipos de inteligência, melhorando a concentração e estimulando comportamentos positivos, como o companheirismo e o trabalho em equipe. Outros benefícios, como a adoção de hábitos saudáveis e a prevenção do sedentarismo e outras doenças, são resultados imediatos que permanecem pela vida toda.

A partir do momento em que os jovens colocam as suas habilidades em prática e encontram atividades que sejam prazerosas, há melhora na sua autoestima. Alunos que valorizam e crescem com as atividades artísticas e esportivas se tornam cidadãos mais sensíveis e conscientes do seu papel na sociedade. O espírito de equipe, a união e a amizade são características para uma educação transformadora.

Qual é o limite ideal?

Um pequeno conselho aos pais: é preciso tomar sempre cuidado para não exagerar na agenda do seu filho! O ideal é fazer cursos extracurriculares de duas a três vezes por semana, mas a disposição do aluno deve ser avaliada caso a caso. Vale lembrar que independentemente da escolha, as atividades não devem ser vistas como uma nova obrigação, ou algo que cause ainda mais pressão. Crianças pequenas precisam ter um tempo reservado só para brincar e alguns períodos de tempo livre.

Sinais como distúrbios do sono, irritabilidade ou cansaço excessivo são indicadores de uma sobrecarga que podem acabar gerando impactos negativos no desempenho escolar. Lembre-se que atividades extras devem ser prazerosas, e ainda são uma ótima motivação para desviar o foco das telas das TVs, tablets e smartphones.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.