Todos os índios são iguais?

Escola Lourenço Castanho

07 Abril 2017 | 13h24

Dando continuidade ao estudo sobre a cultura dos povos indígenas no Brasil, o objetivo agora é problematizar o conceito genérico “índio” e, ao mesmo tempo, aproximar os alunos da realidade vivida por esse povo, que é marcada por uma imensa diversidade étnica e cultural.

Para iniciar a discussão, foi mostrada uma entrevista com o escritor indígena, Daniel Munduruku, na qual ele discute sobre estereótipos comuns agregados aos índios e desconstrói a ideia de que todos os indígenas são iguais.

O estudo dos diferentes povos seguiu algumas chaves temáticas, como: nome do povo; parte do Brasil em que vive; dia a dia na aldeia; a aldeia e a casa; rituais e festas; vida dos curumins; saberes, conhecimento, arte, lendas e mitos; desenhos para representar um índio do povo; imagens que gostariam de mostrar sobre esse grupo e informações relevantes.

Com as categorias definidas para o trabalho, os povos escolhidos para serem explorados foram: Tupinambá, Ikpeng e Pataxó. Foram utilizadas dinâmicas diferentes para aula e diferentes fontes para as pesquisas. Nessa etapa, todas as informações coletadas foram registradas em um caderno de estudo, específico para o trabalho.

Para conhecer o povo Ikpeng, os alunos assistiram ao documentário “Das crianças Ikpeng para o mundo”. Para o povo Tupinambá, foi assistido “Povo brasileiro – episódio 1: Matriz Tupi”.

Em relação ao povo Pataxó, a dinâmica foi diferente. Os alunos entrevistaram a professora Marina Biella que esteve junto aos índios desse grupo, em Coroa Vermelha/BA, e compartilhou seus conhecimentos sobre o assunto. Um trecho do documentário “Konehop Ipu Ibá, os filhos da mata” também foi apresentado.

Todos os conteúdos sobre os diferentes grupos foram registrados no caderno de estudos.

Na segunda etapa da pesquisa, feita com recursos tecnológicos, a exemplo do iPad, a turma foi dividida em quartetos. Cada grupo ficou responsável pelo estudo de um povo indígena, em especial.  Essa atividade foi orientada passo a passo para seguir os procedimentos de consulta, as fontes e os registros de informações.

A última etapa dessa sequência didática foi organizada para que os quartetos pudessem planejar e produzir apresentações orais para toda a turma dos conteúdos coletados sobre a etnia indígena. Cada grupo teve autonomia para expor o trabalho. Cartazes, apresentações de Power Point, músicas, uso de trajes e adereços característicos, pequenas encenações e imagens no telão foram alguns dos recursos que puderam ser utilizados. Assim, foram finalizados os trabalhos sobre os povos indígenas.