Arte de criança, sobre crianças e para crianças

Arte de criança, sobre crianças e para crianças

Escola Lourenço Castanho

13 Julho 2016 | 10h42

Os 1os anos realizaram uma saída pedagógica para o Museu de Arte de São Paulo, Assis Chateaubriand (MASP), onde visitaram duas das exposições em cartaz:Playground 2016 e Histórias da Infância. A segunda tem obras conhecidas pelas crianças durante as aulas de Artes, e ambas são importantes para reflexão sobre o projeto de série (Crianças em qualquer canto – semelhanças e diferenças culturais).  Além disso, a saída foi uma oportunidade para os pequenos ampliarem seu repertório, segundo a professora de Artes, Maria Soledad Csatlos.

Assim que chegaram no local, as crianças se reuniram para comer o lanche. Na sequência, seguiram para as exposições.

Playgrounds 2016, o primeiro acervo explorado pelos pequenos, tem função interativa. Eles puderam brincar, subir e se pendurar nas obras, o que lhes proporcionou momentos de diversão e alegria. A proposta se baseia na primeira exposição Playgrounds que ocorreu no Vão Livre em 1969. Ela tinha o intuito de tornar o museu um organismo vivo, dinâmico e pudesse ser alvo de conhecimento pela curiosidade e pela forma autônoma em que todos pudessem ter acesso.

Histórias da Infância reúne obras de diversos artistas que retratam o universo infantil, desde o nascimento até a morte, passando por diferentes ideias sobre as crianças e as diversas realidades às quais são submetidas. Além disso, também contém um acervo de desenhos feitos por crianças dos anos 1970 a 2000.

Adentraram, então, no primeiro espaço reservado para mostra, no andar subsolo. Ela foi introduzida por um monitor do museu, que explicou as regras de permanência das crianças no local. Quando partiram para o andar superior, a professora de Artes fez uma nova introdução, dessa vez chamando a atenção das crianças para quais obras deveriam prestar mais atenção dentre as que estavam expostas. Os destaques foram “Rosa e Azul” de Pierre Auguste Renoir, “Sugar Children” de Vik Muniz e “Criança Morta” de Cândido Portinari, obras estudadas pelos alunos, durante as aulas de Arte, e analisadas de perto com o auxílio das professoras.

“Eu gostei dos brinquedos [contidos na exposição Playgrounds] e da [obra] Rosa e Azul”, contou Lígia Garcia de Freitas Souza, aluna do 1º ano A, já sentada na cadeira do ônibus que levaria as crianças de volta à Escola.