Por que o brincar é tão importante na primeira infância?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que o brincar é tão importante na primeira infância?

Escola Eduque

18 de março de 2020 | 17h18

Jogos e brincadeiras fazem parte do universo infantil, dentro e fora do ambiente escolar. Entretanto, é na escola que as crianças têm a oportunidade de vivenciar brincadeiras planejadas pela equipe docente com intencionalidade pedagógica. Neste planejamento, os docentes consideram as interações sociais e particularidades de cada faixa etária como elementos fundamentais para o desenvolvimento infantil. Situações lúdicas potencializam a comunicação, a autonomia e a criatividade das crianças.

Segundo Piaget, as crianças praticam jogos de exercícios (manipulação), simbólicos (faz de conta) e de regras. Cada jogo permite à criança o desenvolvimento de habilidades cognitivas, sociais e emocionais que, posteriormente, possibilitam a formação de um adulto seguro, empático e criativo. Nesse sentido, é fundamental que o ambiente escolar seja preparado com o objetivo de estimular o pensamento, as relações e o desenvolvimento integral do aluno.

A escola também é responsável por grande parte do processo de interação e socialização. Na realidade paulistana, com a falta de espaços de convivência e a violência nas ruas, nem todas as crianças têm a possibilidade de interagir e ampliar seu vínculo social. A escola torna-se um local privilegiado, pois permite esta interação num ambiente seguro.

Tendo em vista os aspectos acima relacionados, nossa equipe tem grande preocupação em proporcionar espaços de convivência para a manifestação de jogos e brincadeiras. Na rotina diária da Educação Infantil da Eduque, há espaço para o brincar de forma espontânea e para atividades lúdicas propostas pelos professores. Ambas são objeto de análise da equipe pedagógica, pois a forma como a criança se relaciona, interage e responde às atividades propostas dá pistas ao professor sobre seu desenvolvimento físico, social, emocional e cognitivo. A partir destes dados, o professor consegue fazer intervenções mais assertivas, potencializando o desempenho do grupo.

Nossos alunos podem brincar com brinquedos estruturados (blocos de montar, quebra cabeças) ou não estruturados (folhas, galhos, pedras, embalagens vazias), cada objeto propõe um tipo de intervenção, é nesse momento que nossos professores observam e incentivam ações, especialmente quando a criança sente dificuldade na interação com o objeto e com os demais colegas.

Seja a partir de leituras, uso de fantasias ou da própria imaginação, os jogos simbólicos (faz de conta) são extremamente valorizados na EDUQUE, através deles as crianças aprendem a lidar com problemas e emoções, pois durante estes jogos elas reproduzem o cotidiano (vivenciam profissões, “preparam refeições” para os colegas, incorporam personagens etc.), trazendo, de forma indireta, sentimentos que as preocupam e que são de extrema importância para seu desenvolvimento emocional.

Quanto aos jogos de regras, iniciamos o trabalho na Educação Infantil e damos continuidade no Ensino Fundamental, pois este tipo de jogo, além de contribuir com o aprimoramento de habilidades de convívio social, é muito útil no trabalho com conteúdos curriculares, através dele os alunos conseguem aprender conceitos importantes de forma lúdica e aplicá-los interagindo com seus pares.

Durante a aplicação de jogos, observamos que nas turmas iniciais da Educação Infantil, as crianças criam suas próprias regras e, posteriormente, incorporam as regras do grupo. Este processo faz parte do desenvolvimento moral e intelectual que a ajudará a conviver em sociedade e, quando adulta, ajudará no mundo corporativo.

Nós da Eduque sabemos o quanto é importante garantir que jogos e brincadeiras estejam presentes no planejamento diário do professor. A intencionalidade pedagógica destes momentos faz toda a diferença no desenvolvimento integral das crianças.

Nevinka Tomasich – Diretora Pedagógica

Escola Eduque

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: