Cultura Indígena – um olhar para a diversidade de etnias
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura Indígena – um olhar para a diversidade de etnias

Escola Eduque

18 Abril 2018 | 09h15

O Jardim de histórias é uma proposta mensal que traz reflexões sobre diferentes temas. No mês de abril, as crianças foram convidadas a pensar sobre o tema Culturas Indígenas. O objetivo das atividades foi trazer um olhar para a diversidade de etnias que ocupam o território nacional, focando, quando possível, aspectos específicos de cada cultura.

É importante perceber e divulgar essa diversidade, pois o indígena quase sempre é retratado de maneira homogeneizada e distante na história do Brasil: ora como não-civilizado, ora como bom selvagem romantizado e quase nunca como sujeito histórico, participativo e presente, inclusive, na história contemporânea.

Os indígenas reconhecem-se como nativos, mas percebem-se também como Arawetés, Pataxós, Yanomamis, Kamaiurás, Mundurukus, entre outros grupos que preservam seus ritos, cosmogonias, práticas alimentares e linguagens. Em outras palavras, enxergam-se como grupos que construíram universos particulares e complexos de onde tiram suas interpretações do mundo que habitam. A partir destas interpretações é que extraem respostas para as suas indagações, aflições e outras questões às quais está sujeito qualquer ser humano. Não reconhecer essa diversidade, silenciá-la, é negar a narrativa do outro como sujeito histórico e autônomo.

Desta maneira, recontar, apresentar e refletir sobre as diferentes tradições silenciadas é o convite que a biblioteca propõe para os encontros de abril.

As atividades foram pensadas da seguinte maneira:

Crianças de 2 e 3 anos: A contação do livro “O jabuti, a baleia e a anta”, escrito por Stela Barbieri e ilustrado por Fernando Vilela. O livro é inspirado em lendas indígenas da Região Norte do Brasil, que possuem diversas histórias de inteligência com a figura do jabuti.

Crianças de 4 e 5 anos: Os livros “Kunimi Guarani” e “Contos dos Curumins Guaranis” foram escritos por dois indígenas da aldeia Krukutu, localizada no estado de São Paulo, próxima à região de Parelheiros. Os autores são filhos do escritor indígena Olívio Jekupe e escrevem desde os dez anos de idade. As histórias contidas nesses livros são uma excelente oportunidade de compreender a cultura guarani pela ótica das pessoas que as mantêm viva.

Crianças de 6 e 7 anos: A partir da leitura do livro “O menino e o Jacaré”, da autora Maté, serão apresentadas algumas características dos Kayapós, presentes nas regiões do MT e PA, próximos a afluentes do Rio Xingu, como os rios Irirí e Bacajá. O objetivo é discutir no que os diferentes povos se diferenciam e as maneiras que encontram para explicar o universo a sua volta: através de histórias, rituais, indumentárias etc.

Crianças de 8 anos: A partir de lembranças da avó, Eliane Potiguara publicou o livro “O Pássaro Encantado”, que aborda questões como o luto e, principalmente, a ancestralidade, muito presente na cultura potiguara. Após a leitura, será proposta uma discussão sobre os costumes desse povo e a trajetória da autora como escritora indígena.

Crianças de 9 e 10 anos: Por meio dos livros “A Floresta Canta! Uma expedição sonora por terras indígenas do Brasil”, de Berenice de Almeida e Magda Pucci, e “Coisas de Índio”, de Daniel Munduruku, será proposta uma roda de conversa sobre a diversidade indígena no Brasil. Ambos os livros trazem questões sobre linguagem, costumes, territorialidade, entre outros pontos que revelam a complexidade de universos construídos pelas diferentes etnias presentes em território nacional.

Escola Eduque