Para fugir das armadilhas na escolha de bons livros para as crianças

Para fugir das armadilhas na escolha de bons livros para as crianças

Escola da Vila

07 Junho 2016 | 10h41

 

Luisa Furman

Quem aqui já desejou uma fórmula mágica para ajudá-lo numa decisão difícil? Quem já sonhou com uma receita secreta que dissesse qual a melhor forma de educar, orientar e ensinar nossos filhos? Não tem jeito, sempre que pedimos conselhos e opiniões, acabamos descobrindo que a melhor escolha está dentro de nós, e, para acessá-la, é preciso de tempo para a escuta interior.

Falando em leitura para as crianças, acreditem, o caminho também passa por aí. Infelizmente não existe uma fórmula que nos garanta fazer as melhores escolhas no que se refere aos livros que vamos ofertar aos nossos filhos. Também, nesse momento, é preciso tempo para a escuta, para a observação, para o olhar atento, tanto para a criança quanto para os livros em si.

Embora não exista uma fórmula mágica, existem, sim, alguns parâmetros que podem nortear nossas escolhas, parâmetros esses que são construídos a depender da situação: para quem vou ler? Que intenção tenho com aquela leitura? Como vai se dar o encontro da criança com o livro? Além de variar pela situação, a escolha de um bom livro também passa pela subjetividade: um bom livro para mim pode não ser tão bom para você, já que existem o interesse, o gosto, os critérios e os valores que temos internalizados. Parece impossível listar o que seja 100% bom para todo mundo, mas é possível dizer o que NÃO é bom, o que podemos e o que devemos evitar. Com o cuidado de quem tateia um universo imenso, diverso e um tanto subjetivo, vou destacar alguns pontos que podem ajudar mães, pais e familiares em geral a não cairem em armadilhas no momento de escolher livros para oferecer a suas crianças:

  1. Livros com faixa etária pré-definida: a definição da faixa etária a que se destina tal livro é muito mais uma necessidade comercial, imposta pelo mercado, pelas editoras e livrarias, do que um critério real para definir a qualidade de um livro. Existem livros que se encaixariam em diversas faixas etárias; os bons livros, que se destacam na formação do leitor, não têm idade. Desconfie dessas definições, olhe além.
  2. Livros tratados como objeto prioritariamente comercial: não pode ser a propaganda da editora, a autopromoção na página do facebook do autor ou o setor de marketing da livraria que vai definir o livro que vou escolher para uma criança. É preciso conhecer e reconhecer o livro como um objeto artístico, cultural, algo que merece ser discutido, não somente consumido. O livro é um objeto que possibilita falar sobre a experiência humana de uma maneira muito rica e enriquecedora. A oferta é imensa, temos que ultrapassar os livros que estão expostos nas vitrines, tentar desfazer a relação de consumidor. Onde estão os livros que não são lançamentos? Que não são best-sellers? Aqueles publicados por pequenas editoras? É preciso calma, tempo, cuidado, percorrer as livrarias e as bibliotecas com as crianças, observando para onde vai o olhar delas, e “fuçando” para além dos destaques.
  3. Livros que agregam outros produtos: o critério aqui se repete, a ideia é ir além da relação do consumidor com um produto. Livros com grande apelo sedutor, que torna até difícil dissuadir a criança daquela escolha, porque trazem seu personagem preferido, com adesivos, brindes, passatempos… Não precisamos proibir, mas ampliar a oferta, não nos contentarmos unicamente com livros de leitura fácil, que muitas vezes reforçam estereótipos e não enriquecem o repertório literário. O importante é investir na formação dos nossos filhos, ampliar suas experiências, não deixar que fiquem no “mais fácil”. Temos os livros “fast-food”, que são devorados em uma única sentada, e os livros que trazem um algo a mais, que são lidos e relidos, descobertos, explorados. Apresentar um amplo leque ajuda as próprias crianças a compararem as diferentes experiências leitoras.
  4. Livros que reproduzam estereótipos: é fundamental tomar cuidado com livros que confirmam ou que não se posicionam com relação aos preconceitos de toda espécie. Vamos fugir dos livros que não considerem toda a diversidade de estruturas familiares que existe; que não apresentem a diversidade racial que precisa ser olhada e representada na literatura para as crianças; livros que reforçam a desigualdade entre os gêneros, que seguem diferenciando as “histórias para meninas” das “histórias para meninos”. Boas histórias são para todos, bons livros devem ser lidos por todo leitor que se interessar por aquela obra que está em suas mãos. É importante fugir desses estereótipos, perguntar-se como os livros estão tratando esses assuntos.
  5. Livros que apelam para temas: o apelo a um tema da moda costuma indicar uma armadilha. O problema não são os temas em si, mas qual é o lugar disso e qual é o lugar da literatura? De que forma a literatura pode discutir temas contemporâneos? Importante lembrar que, quando falamos de um bom livro literário, estamos nos referindo tanto à forma quanto ao conteúdo: o que ele fala e como ele fala. Só há uma maneira de descobrir o “como” ele fala: tenho que me demorar no livro para saber o que ele tem a me dizer e como ele vai me dizer. O fato de o livro tratar de um tema importante não faz dele um bom livro literário.
  6. Livros com tendência à “autoajuda mirim”: livros que falam dos problemas cotidianos da criança com soluções fáceis e mágicas, como se as questões ligadas aos sentimentos humanos pudessem ser simples! Não podemos pensar que, pelo leitor ser criança, a solução lhe é simples. E qual a visão que se tem da criança em uma obra que trata os conflitos infantis de maneira tão simplista que não aposta na inteligência da criança? Pergunte-se: será que esse livro traz uma reflexão sobre a experiência humana? Mesmo que tenha leveza, graça, humor, é importante que reflita sobre nossas fragilidades e limitações humanas, que nos possibilite reflexões acerca da nossa existência de maneira inteligente.
  7. Livros que simplificam o livro original (adaptações): muitos clássicos são adaptados para as crianças e oferecidos como se fosse algo incrível ler “Os Miseráveis” em quadrinhos aos sete anos de idade (apenas um exemplo aleatório). Como dissemos anteriormente, a qualidade literária está na forma e no conteúdo. As grandes obras consagradas ocupam esse lugar na história da literatura também pela forma como foram escritas. Se eu preciso adaptar e simplificar uma obra para que ela se torne acessível a uma criança, é bem possível que eu esteja adiantando uma experiência que poderia ser muito mais rica e completa em outro tempo, quando aquele leitor tenha idade para ler o livro original, com a linguagem própria do autor.
  8. Livros que não valorizam a experiência estética, o cuidado na relação texto-imagem: a ampliação do mercado de livros ilustrados é impressionante e riquíssima. É importante buscar livros que primem tanto pela qualidade da linguagem quanto da relação entre a ilustração e o texto. Buscar quem são os ilustradores, fugir das ilustrações estereotipadas, que simplesmente reproduzem o que está sendo dito no texto, que não ampliam a visão sobre o que se lê (a ilustração também é lida), não proporcionam uma nova experiência de fruição.

Por fim, para ampliar a formação de critérios tanto nossos quanto de nossas crianças, temos que dedicar tempo e espaço para a ampliação do repertório de leitura, e, assim, podemos ter mais parâmetros de comparação. Sugerimos visitas às bibliotecas municipais, que contam com acervos ricos e diversificados, possibilitando uma experiência que foge do lugar do consumo que as livrarias proporcionam. Sugerimos também a leitura de sites que se dedicam à leitura e à resenha de títulos sem ligação com o interesse comercial, pensando na literatura para as crianças como um gênero importante, especial e único.

Boas leituras!

Sites especializados em leitura e livros para crianças e jovens:

Revista Emília

A Taba

Site da Biblioteca do Parque Villa-Lobos

Fontes do artigo:

Como escolher bons livros para as crianças?

Por que os adultos devem ler livros para crianças?

Literatura infantil é, antes de tudo, literatura.