Mais uma jornada e muitos desafios

Mais uma jornada e muitos desafios

Escola da Vila

02 de fevereiro de 2022 | 17h40

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Fernanda Flores, direção geral da Escola da Vila

Bem-vindos e bem-vindas ao início de mais um ano letivo e ao nosso blog, que retoma esse importante espaço de análise e discussão sobre temas educacionais relevantes que atravessam as reflexões da equipe da Vila.

Um dos temas que nos inquietam são os desafios que se colocam para as escolas contemporâneas que buscam uma educação realmente comprometida com uma formação para a vida: uma escola multidimensional, inclusiva, que promova a equidade, que seja desafiadora e responsável.

Essa não é uma empreitada simples, mas é o compromisso que guia e sempre guiou as escolhas da Escola da Vila. Especialmente neste ano letivo, que tem início agora, quando estamos em pleno processo de reorganizar os espaços e os tempos escolares, com uma jornada ampliada, novos projetos integrados e novas dinâmicas de organização dos estudantes para agregar experiências ao que envolve o ser, o fazer e o estar na escola.

Um desafio constante que temos é tornar visível aquilo que tem potencial para mobilizar aprendizagem, gerar interesses. Como dar um sentido mais profundo e genuíno para o que se aprende na escola?

Parte desse sentido tem relação com encontrar grandes perguntas, grandes ideias e dilemas por trás de cada tema em estudo. Assim, em todas as etapas da escolaridade, a revisão e a ampliação de projetos com enfoque global na resolução de problemas atuais, amplia a criação de propostas interdisciplinares, nas quais os estudantes seguem tendo um papel intelectualmente ativo, e são convocados a explorar situações reais a partir de diferentes áreas, provocados, assim, a expandir seus repertórios de ideias e capacidades para pensar e atuar no mundo.

Consideramos essa transformação da escola uma força vital, que a torna capaz de reconhecer suas limitações e alterá-las na busca da promoção integral dos direitos de aprendizagem de crianças e jovens desta época.

Compomos um coletivo que educa em um espaço no qual os estudantes são encorajados a tomar decisões e assumir responsabilidades, arcando com as consequências e, assim, arriscando-se em um ambiente de colaboração, no qual cada um se sente parte e pertencente a um todo que aprende, atuando e fazendo a diferença. Esse é o desafio que segue nos mobilizando em 2022.

Acima de tudo, e refletindo sobre o papel da escola, precisamos de gente para virar gente.

Neste contexto, um segundo desafio é a construção coletiva de uma comunidade ativa, com vivências sensíveis, de ocupação de espaços e de promoção de trocas variadas entre as pessoas que nela convivem, com contribuições efetivas às comunidades do entorno. Isso se dá abrindo a escola para projetos que tragam a cidade para dentro e que levem todos os estudantes a atuar muito mais em ações para além de seus muros.

Estar mais tempo na escola é também uma resposta para ampliar vivências, que aproximem e promovam experiências, que cultivem o reencontro com o investigar, o brincar, o projetar, o sentir, o pensar, o fazer, o praticar. Avançamos para uma escola que, cada vez mais, integra e conecta as crianças e jovens ao um pertencimento social, valorizando a importância de sua ação no mundo.

Estamos começando e seguiremos compartilhando essa nova jornada da Vila, desejando um ano no qual a transformação criativa siga guiando nossa equipe e que tantas outras reflexões passem por aqui e provoquem nossos leitores e leitoras.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.