H1N1, vamos prevenir?

H1N1, vamos prevenir?

Escola da Vila

05 Abril 2016 | 14h51

1 2

As primeiras notícias sobre um possível surto do H1N1 nos chegaram com alguns casos de alunos infectados. Imediatamente tomamos as providências possíveis e decidimos fazer uma campanha, acreditando que a abordagem sistêmica faz mais efeito que ações isoladas.

Sensibilizamos a equipe por meio de comunicados internos, alertando para as ações imediatas, tais como garantir que os pequenos lavem as mãos pelo menos duas vezes por dia, e mais uma higienização com álcool gel em sala de aula.

Para os alunos do Fundamental 1, entendemos que além dos hábitos preventivos é necessário investir em aprendizado e compreensão dos processos para que os cuidados tenham sentido para eles e que possam realizá-los de modo autônomo. Assim, cada professora elaborou uma aula sobre o tema, utilizando o farto material oferecido pela Secretaria da Saúde, envolvendo os alunos em discussões voltadas para as ações possíveis.

As reuniões pedagógicas foram utilizadas para trocas entre as professoras, que puderam ampliar seus repertórios com os depoimentos dos colegas, da socialização de materiais de apoio e das orientações de seus coordenadores.

Com os alunos maiores, do Fundamental 2, foi possível envolver a equipe de Ciências que, com a Orientação Educacional, adequou informações pertinentes a cada faixa etária, tornando o surto uma oportunidade importante para o estudo de temas complexos como a diferença entre vírus e bactéria, a sobrevivência do vírus, o sistema imunológico etc.

Com os orientadores, em assembleias de classe com os alunos, foram criadas novas regras para o convívio, tais como: a forma de partilhar lanche sem o perigo do contágio, a manutenção da sala de aula aberta e ventilada, evitar o uso do ar-condicionado etc.

Numa turma de alunos do Ensino Médio, que já estava estudando vírus e doenças parasitárias infecciosas, o professor criou um novo grupo, responsável pelo estudo do H1N1, e os próprios alunos estiveram em todas as salas desse segmento, com o apoio do professor, ministrando um breve seminário sobre suas investigações.

3 4

Cada professor recebeu um pote de álcool gel para consumo próprio e para uso dos alunos, e passaram a incentivá-los a observar todas as práticas para inibir o contágio.

O setor de comunicação da escola espalhou estrategicamente cartazes da campanha “ H1N1, vamos prevenir?”, lembrando a todos das práticas preventivas em cada espaço da escola.

E, por fim, mas não menos importante, a escola enviou comunicado aos pais, envolvendo-os com a campanha, tanto no sentido de reforçar com seus filhos a importância de certas atitudes, como também para que evitem mandar seus filhos à escola em caso de sintomas suspeitos.

Na terceira semana de abril a escola vai promover uma campanha de vacinação para os funcionários. Esperamos, assim, minimizar os efeitos da famigerada gripe!