Estamos prontos para educar para as mudanças climáticas?

Estamos prontos para educar para as mudanças climáticas?

Escola da Vila

16 de março de 2022 | 12h40

Por Mateus Moreira, professor de Biologia do Ensino Médio da Escola da Vila e responsável pelo SustentaVila

 

São Paulo registra o mês de fevereiro mais seco dos últimos 38 anos

[…]. Falta de chuvas tem piorado a situação dos reservatórios que abastecem

a população […]. Especialistas acreditam que

é possível que falte água nas casas ainda este ano. (G1, 28/2/2022).

Petrópolis teve chuva de um mês em poucas horas. […] Em apenas

três horas, choveu mais do que o esperado para o mês de fevereiro

inteiro […] foram registrados 259,8 milímetros de chuva durante o dia

todo — sendo 250 mm (milímetros) entre 16h20 e 19h20 […]. Foi a

maior tempestade da história de Petrópolis, desde que se iniciaram as

medições, em 1932. A equipe Técnica e Científica da Polícia Civil, que

atua no Instituto Médico Legal (IML) mantém o registro de 233 vítimas

fatais. (UOL, 17/2/2022).

SP registra 37,3 oC nesta quarta, terceira maior temperatura da história

da cidade […]. Na semana passada, a cidade teve a segunda maior

temperatura da história, com 37,4 oC. Maior marca foi registrada em

outubro de 2014, com 37,8 oC, segundo o Inmet. (G1, 7/10/2020).

Notícias como estas são cada vez mais frequentes nos noticiários. Não é por acaso: temos observado recordes de altas e baixas temperaturas, de grandes volumes de chuvas, secas históricas no Pantanal devido à alteração no regime de chuvas e vazantes, entre muitos outros fenômenos climáticos que impactam direta e indiretamente as comunidades locais e a biodiversidade. Vimos, em fevereiro de 2022, o robusto grupo de pesquisadores que contribuem para o IPCC trazendo notícias nada animadoras. IPCC é a sigla em inglês para o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (Intergovernmental Panel on Climate Change), que foi criado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e pela Organização Meteorológica Mundial em 1988, com o objetivo de fornecer aos formuladores de políticas avaliações científicas regulares sobre a mudança do clima, suas implicações e possíveis riscos futuros, bem como para propor opções de adaptação e mitigação. Em seu último relatório, trouxe diversos pontos de preocupação, todos centrais nos debates globais, dentre os quais podemos destacar:

  • os impactos e os riscos das mudanças climáticas estão se tornando cada vez complexos e difíceis de se gerenciar;
  • os riscos para pessoas, espécies e ecossistemas vão aumentar rapidamente com as temperaturas mais altas, gerando, com frequência, impactos climáticos irreversíveis;
  • desigualdade, conflitos e desafios de desenvolvimento aumentam a vulnerabilidade aos riscos climáticos;
  • a adaptação é essencial. Soluções viáveis já existem, mas mais apoio precisa chegar às comunidades vulneráveis;
  • alguns impactos das mudanças climáticas já são severos demais para pensar em adaptação. O mundo precisa agir com urgência para lidar com as perdas e danos.

Mas qual o papel da escola nesse contexto? Como o ensino e o currículo estão lidando com um tema tão atual, tão complexo e tão incerto? A escola está preparada e organizada para essas novas demandas?

Apesar de a educação ser vista como uma importante ferramenta no combate das causas e ameaças das mudanças climáticas, especialistas em educação e a comunidade como um todo ainda possuem uma percepção limitada do que deve ser discutido sobre o tema em associação à educação.

Por afetar a humanidade nos contextos social, ambiental, cultural e econômico, a educação para as mudanças climáticas tem forte caráter interdisciplinar e globalizador. Diante disso, é injusto e um equívoco o tema ficar a cargo do(a) professor(a) de ciências, biologia ou da área de ciências naturais, como tradicionalmente acontece. Todas as áreas do conhecimento devem promover juntas e de modo complementar uma educação para as mudanças climáticas abrangente e realmente interdisciplinar, já que o tema interliga o passado, o presente e o futuro da história da humanidade, interferindo na vida humana nos níveis pessoal e global.

Boa parte da estrutura educacional atual não atende sequer aos anseios da dimensão ambiental, que requer cooperação, solidariedade, bom uso da natureza, formação cidadã plena e efetiva, e acaba se restringindo de modo excessivo ao cientificismo tecnológico. Na Escola da Vila, viemos revisitando nosso currículo para que, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, ampliemos os projetos interdisciplinares nos quais esses componentes sejam fortalecidos na relação dos estudantes com seu ambiente e com práticas responsáveis de ação e cidadania.

Educar de forma estrita e unicamente tecnicista fragiliza a universalidade do conhecimento e compromete a formação de uma cidadania global. Nesse contexto, a busca pela formação de um cidadão engajado e crítico em seus atos muitas vezes se perde, pois processos ambientais, climáticos e antrópicos exigem a interdisciplinaridade do conhecimento ancorada em uma racionalidade ambiental. Caso contrário, estaremos contribuindo para o aumento de uma tecnologia direcionada a extrair ininterruptamente os recursos naturais a uma velocidade cada vez maior, com o objetivo de atender a demandas de consumo crescentes. Como resultado dessa formação consumista ambientalmente insustentável, a sociedade inverte os valores passando a viver para produzir e consumir, alienando-se numa forma de vida que a impede de enxergar os perigosos efeitos das mudanças climáticas em andamento.

Nesse sentido, a criação de núcleos de estudantes para a promoção da conscientização nas escolas e do ativismo propositivo em ações socioambientais faz enorme sentido por integrar jovens numa jornada de posicionamento frente a um tema universal e de extrema urgência. O @vilapeloclima nasceu com os jovens do Médio na Vila, e se entrelaça com outros coletivos que nos mostram o papel que a juventude estudantil deve ocupar nessa agenda.

A inserção de tópicos das mudanças climáticas nos currículos deve gerar discussões coletivas em processos sociais e ambientais mais amplos, permitindo o desenvolvimento de aspectos éticos, econômicos e ecológicos, buscando promover  consciência e motivação para fomentar estratégias direcionadas para diminuir a pressão ambiental. A integração entre saberes científicos, ambientais e tradicionais precisa estar inserida no processo educacional. Isto é essencial para a mitigação e a adaptação.

Estamos prontos para promover a educação para as mudanças climáticas?


REFERÊNCIAS

São Paulo registra fevereiro mais seco dos últimos 38, diz Inmet. G1, São Paulo, 28 fev. 2022. Acesso em:  12 mar. 2022.

Petrópolis teve chuva de um mês em poucas horas. UOL, São Paulo, 17 fev. 2022. Acesso em: 12 mar. 2022.

SP registra 37,3ºC nesta quarta, terceira maior temperatura da história da cidade. G1, São Paulo, 07 out. 2020. Acesso em: 12 mar. 2022.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.