Dados sobre pessoas com deficiência: um desafio para a Educação Inclusiva
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dados sobre pessoas com deficiência: um desafio para a Educação Inclusiva

“Ainda não é possível determinar quantas crianças e adolescentes público-alvo da Educação Especial temos hoje no País e, principalmente, quantas ainda estão fora da escola”, afirmam Alexandre Moreira, Katia Cibas e Lailla Micas

Todos Pela Educação

20 de julho de 2018 | 11h46

FreePik Images

Por Alexandre Moreira*, Katia Cibas** e Lailla Micas***

O aprimoramento da discussão sobre dados de pessoas com deficiência no Brasil foi pautado pela publicação Panorama Nacional e Internacional da Produção de Indicadores Sociais, lançada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em abril e já comentada em artigo publicado em junho de 2018. Considerando agendas nacionais e internacionais, como o Plano Nacional de Educação (PNE) e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, conhecer a quantidade de crianças e jovens com deficiência no Brasil é imprescindível para promover políticas públicas de universalização do acesso à Educação Básica e de oportunidade de aprendizagem para todos. O desenvolvimento de indicadores fidedignos é essencial para melhor acompanhamento e garantia desse direito fundamental.

Aprovado pela Lei nº 13.005, em junho de 2014, o PNE determina metas e estratégias para a política educacional do Brasil até 2024. Sua meta 4 é “universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica e ao atendimento educacional especializado, preferencialmente na rede regular de ensino”. Esse objetivo diz respeito ao público-alvo da Educação Especial, modalidade da educação transversal a todos os níveis de ensino.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, plano de ação criado em setembro de 2015 pela Organização das Nações Unidas (ONU), indica 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para erradicar a pobreza e promover vida digna para todos. O ODS 4, que trata de Educação de qualidade, coloca como desafio “assegurar a Educação Inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos”. Na estratégia 4.5 é ainda mais específico: “até 2030, eliminar as disparidades de gênero na Educação e garantir a igualdade de acesso a todos os níveis de Educação e formação profissional para os mais vulneráveis, incluindo as pessoas com deficiência, povos indígenas e as crianças em situação de vulnerabilidade”.

O cumprimento das metas do PNE precisa ser objeto de monitoramento contínuo, não só pela sociedade civil, mas principalmente pelo Ministério da Educação. Assim como, enquanto Estado-membro da ONU que se comprometeu a adotar a Agenda 2030, o Brasil deveria estar empenhado no desenvolvimento de um sistema educacional inclusivo. No entanto, ainda não é possível determinar quantas crianças e adolescentes público-alvo da Educação Especial temos hoje no País e, principalmente, quantas ainda estão fora da escola.

Ainda que a coleta de dados e os indicadores do Censo Demográfico sejam aperfeiçoados para que tenhamos informações mais precisas sobre o segmento, como defendido no artigo citado, a área da Educação continuará carecendo de dados anuais, pois o intervalo de dez anos de cada censo não permite um monitoramento constante das estratégias dessas agendas e dos impactos das políticas públicas implementadas. Além disso, para sabermos dessa população em idade escolar obrigatória que está atualmente fora de instituições de ensino, há a necessidade de dados demográficos comparáveis com os obtidos pelo Censo Escolar, que apresenta anualmente a quantidade de estudantes matriculados nas escolas.

Um possível encaminhamento para essa questão seria a adoção de perguntas sobre pessoas com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), cujo objetivo principal é obter informações anuais sobre características demográficas e socioeconômicas da população, como sexo, idade, Educação, trabalho e rendimento.

Como a publicação do IBGE mostra, há muito o que se avançar na produção de indicadores sociais para que possamos construir um País mais equitativo, alcançando as metas de agendas nacionais e internacionais no que diz respeito à garantia do direito humano à Educação para todas e todos, sem discriminação.

 

* Alexandre Moreira é licenciado em educomunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Atua na área de formação do Instituto Rodrigo Mendes.

**Katia Cibas é professora de educação básica, formada em Psicologia pela Universidade Braz Cubas e especializada em Educação Especial pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Atua na área de formação do Instituto Rodrigo Mendes.

***Lailla Micas é jornalista pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e está há nove anos no terceiro setor, atuando em gestão de projetos de educação. Atua na área de consultoria do Instituto Rodrigo Mendes.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.