2019, o ano em que o Brasil tem que discutir o Fundeb
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

2019, o ano em que o Brasil tem que discutir o Fundeb

"Aprimorar o fundo de financiamento da Educação pode mudar o jogo para os 40 milhões de alunos da Educação Básica pública que estudam em um sistema de baixa qualidade e com a maior desigualdade educacional do mundo", afirma Caio Callegari, do Todos Pela Educação

Todos Pela Educação

22 de janeiro de 2019 | 16h07

FreePik Images

Caio Callegari, coordenador de projetos do Todos Pela Educação

A entrada de uma nova gestão no Governo Federal traz consigo especulações sobre quais serão as bolas da vez na política educacional brasileira. Ideias polêmicas deram o tom das discussões nas corridas eleitorais e devem retornar neste ano, mas é preciso ter foco nas iniciativas que realmente podem contribuir para a Educação de qualidade em todo o País. Uma delas é mudar a forma como investimos em Educação, com a possibilidade de consolidar um novo desenho, mais inteligente e justo, para o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

Por que isso vale nossa atenção? O Fundeb é a principal fonte de recursos das redes públicas de ensino do Brasil, distribuindo quase R$ 150 bilhões – vindos de impostos já vinculados à Educação – de acordo com o número de estudantes matriculados que cada prefeitura ou governo do Estado possui. Criado em 2006, em substituição ao Fundef (que vigorou a partir de 1997), o fundo funciona repartindo recursos de quem tem muito com quem tem pouco, um Robin Hood brasileiro.

Na prática, o Fundeb permite que os municípios mais pobres, em média, dobrem a disponibilidade de recursos para investir por aluno (valor aluno/ano). Esse resultado redistributivo é fortíssimo e reconhecido em todo mundo: o indicador de desigualdade de recursos disponíveis entre as redes de ensino é reduzido em 70% e a diferença entre o maior e o menor valor aluno/ano cai de 10.000% para 564% com o “efeito-Fundeb.

Mas a existência do Fundeb tem prazo constitucional para acabar – o ano de 2020. Seu fim próximo deve acender um sinal de alerta para toda a sociedade, pois representaria dois retrocessos para nossas crianças e jovens: primeiro, a volta de uma imensa desigualdade e, segundo, uma desorganização total do sistema de ensino. Para se ter uma ideia do estrago possível, para cerca de mil municípios o Fundeb representa mais de 80% dos recursos de investimento em Educação; ou seja, sua extinção levaria à quebra dos cofres públicos dessas cidades. Por isso, precisamos colocar o Fundeb como o assunto do momento.

Felizmente já começamos com antecedência esse debate. Desde o início de 2016, parlamentares, especialistas e movimentos da sociedade civil como o Todos Pela Educação têm discutido o tema no Congresso Nacional. Nesse processo, criou-se a importante concordância de que o Fundeb deve ser transformado em uma política sem um término previsto, para que continue com seu efeito equalizador nos próximos anos. Mais do que isso, nessas discussões consolidou-se a ideia de que é preciso calibrar a balança do Fundeb para deixá-lo ainda mais justo.

Precisamos ter em mente que o Fundeb não é o todo do financiamento educacional e que há muita desigualdade fora do Fundeb que precisa ser enfrentada. Mesmo com o Fundeb funcionando, uma em cada quatro redes públicas de ensino conta com menos de R$ 3,6 mil por aluno/ano, enquanto outros municípios contam com o dobro dessa quantia. A escassez de recursos atinge justamente as localidades com os maiores desafios educacionais.

Para mudar esse quadro, precisamos corrigir alguns problemas recentemente diagnosticados no Fundeb, ampliar a participação equalizadora da União e introduzir novas regras para apoiar os municípios que atendem a estudantes mais pobres.

Em 2019, caberá ao Congresso Nacional manter o ritmo e o alto nível das discussões, mas toda a sociedade precisa estar engajada nessa virada rumo a oportunidades educacionais iguais para todos. Será necessário simular impactos das propostas e debatê-las democraticamente, levando sempre em conta as dificuldades fiscais dos entes federativos. Esses são pilares essenciais para termos, até o final de 2020, uma boa tomada de decisão.

Aprimorar o Fundeb pode mudar o jogo para os 40 milhões de alunos da Educação Básica pública que estudam em um sistema de baixa qualidade e com a maior desigualdade educacional do mundo. Nós teremos apenas um ano pela frente para fazer essa discussão. Essa é a nossa janela de oportunidade, a hora inadiável de um debate amplo, corajoso e qualificado sobre as potencialidades futuras do sistema de financiamento da Educação Básica, que refletirão nas oportunidades de aprendizagem das próximas gerações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: