Ideb é um dos parâmetros para avaliar a Educação da sua cidade
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ideb é um dos parâmetros para avaliar a Educação da sua cidade

Índice é uma das ferramentas para medir qualidade do Ensino Básico e pode ser considerado na hora de decidir o voto

Todos Pela Educação

29 Agosto 2016 | 15h32

FOTO: JOAO BITTAR / UNESCO-MEC

FOTO: JOAO BITTAR / UNESCO-MEC

É sempre importante saber como está a qualidade das escolas e do ensino na sua cidade, e em período de eleições municipais ter esse conhecimento é ainda mais necessário. Isto porque, ao obter essas informações, o eleitor conseguirá compreender e avaliar as propostas na área da Educação de cada candidato ou candidata à prefeitura. No Brasil, um dos principais indicadores do ensino é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Embora não seja a única medida da qualidade da Educação, nem um indicador exato, ele pode ser usado como ferramenta para uma escolha mais consciente nas urnas.

O Ideb foi criado em 2007 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC). Seu cálculo leva em conta a taxa de rendimento escolar (percentuais de alunos aprovados, reprovados ou que abandonaram a escola), coletadas por meio do Censo Escolar, e as médias de desempenho em língua portuguesa e matemática nos exames de larga escala aplicados pelo Inep – a Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Anresc), mais conhecida como Prova Brasil, aplicada a alunos do 5° e 9° anos do Ensino Fundamental e que gera dados por escola, e a Avaliação Nacional da Educação Básica (Aneb), que é amostral e aplicada a alunos do 3° ano do Ensino Médio, e que gera informações apenas para redes de ensino em nível estadual – ela é mais conhecida por Saeb, que é o nome do próprio sistema da qual ela faz parte:  o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

A escala do Ideb vai de zero a dez e o índice é atribuído a escolas, redes de ensino, unidades da federação e também ao País. A cada edição, existem metas a serem cumpridas por todos eles. O índice é divulgado de dois em dois anos – dentro das próximas semanas, devem ser publicados os resultados de 2015. Vamos, então, relembrar como foi o desempenho até o último Ideb divulgado, o de 2013?

Como a maior parte dos municípios é responsável pelo fornecimento do Ensino Fundamental, vamos nos ater aos resultados dessa etapa no Ideb nacional. Nos Anos Iniciais, o índice mostra um crescimento continuado e acima da projeção ao longo do tempo, aumentando 1,4 ponto em oito anos. Assim, em 2013, alcançamos 5,2, número que está 0,3 acima da meta estipulada.

Esse contínuo crescimento dos resultados aponta que os investimentos feitos na etapa estão sendo bem sucedidos. Dentre as políticas públicas postas em prática nos últimos anos que contribuíram para isso podemos destacar a ampliação do Ensino Fundamental de oito para nove anos e o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic).   

Os anos finais também apresentam um aumento sucessivo acima da projeção desde a primeira edição do Ideb, crescendo 0,7 ponto. Contudo, o ano de 2013 foi o primeiro em que o resultado não acompanhou a meta estimada: ao alcançar o total de 4,2, ficou 0,2 ponto abaixo do projetado.

Mesmo com o aumento da pontuação a cada biênio, os Anos Finais do Ensino Fundamental apresentam um crescimento menor que os Iniciais. Isso indica que é preciso ter um olhar mais atento e políticas públicas específicas para a transição do primeiro para o segundo ciclo do EF. Do 1º ao 5º ano, por exemplo, o estudante tem apenas um professor que o acompanha durante o período na escola. A partir do 6º, de maneira geral, cada disciplina apresenta um docente próprio, com metodologia e didática diferentes.

Assim, é preciso dar apoio a esse aluno, bem como criar meios que permitam acompanhá-lo de maneira integral, de modo a realizar uma ponte entre as diversas áreas do conhecimento, e dar sentido às informações apresentadas em sala de aula.

O Plano Nacional de Educação (PNE) também usa o Ideb como um dos principais instrumentos para medir a qualidade da aprendizagem das escolas brasileiras. O índice aparece na meta 7 plano.

Confira as projeções e séries históricas do Ideb no Observatório do PNE, onde há também  análises e levantamentos sobre a meta 7 do Plano.